Energia Administradores da EDP Renováveis venderam as suas acções durante a OPA

Administradores da EDP Renováveis venderam as suas acções durante a OPA

O encaixe financeiro dos 11 administradores da Renováveis, incluindo António Mexia, que venderam as suas acções durante a OPA atingiu um total de 278 mil euros.
Administradores da EDP Renováveis venderam as suas acções durante a OPA
Miguel Baltazar/Negócios
André Cabrita-Mendes 08 de agosto de 2017 às 18:27
Onze administradores da EDP Renováveis venderam as suas acções durante a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela EDP, deixando de deter por completo papéis da cotada. O encaixe financeiro dos 11 administradores atingiu um total de 278 mil euros.

António Mexia, administrador da EDPR e presidente executivo do grupo EDP, vendeu um total de 4.200 acções a 6,75 euros cada, encaixando um total de 28,350 mil euros. 

Já Nuno Alves, administrador da Renováveis e também administrador financeiro do grupo EDP, vendeu um total de 5.000 acções da cotada, gerando um encaixe de 33,750 mil euros, segundo o comunicado da EDP Renováveis divulgado esta terça-feira, 8 de Agosto. O presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, não detinha acções da empresa, conforme atesta o relatório e contas de 2016 da cotada. 

O presidente da EDP Renováveis América do Norte, Gabriel Alonso, obteve o maior encaixe, 179 mil euros, por deter o maior números de acções (26,5 mil). Já o administrador financeiro, Miguel Amaro, vendeu 25 acções, enquanto o administrador responsável pela Europa, João Paulo Costeira, vendeu um total de 3.000 acções.

A lista inclui também os administradores João Manuel de Mello Franco (380 acções), Jorge Santos (200 acções), João Lopes Raimundo (840 acções), António Nogueira Leite (100 acções), José Ferreira Machado (630 acções) e Acácio Piloto (300 acções).

A EDP lançou uma OPA sobre a EDP Renováveis a 27 de Março, com o objectivo de comprar os 22,5% da cotada que estavam nas mãos dos minoritários.

A administração da EDP Renováveis, excluindo os membros com ligações à EDP, emitiu um parecer sobre a oferta a 26 de Abril, considerando que o preço oferta pública de aquisição lançada pela EDP é "adequado", referindo-se aos 6,75 euros oferecidos por acção.

A operação terminou na quinta-feira, 3 de Agosto, com a  EDP a só conseguir comprar 5% da EDP Renováveis durante a OPA. A eléctrica controlada por António Mexia detém agora um total de 82,56% da EDP Renováveis. Depois desta operação, ainda existem 17,44% da EDP Renováveis que escapam ao controlo da EDP, ficando nas mãos dos minoritários.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Se venderam é porqie consideraram o preço oferecido pela EDP como bom. O mercado achou o contrário. Entao só têm uma opção...DEMITIR SE.

devem ter sido os únicos a vender Há 1 semana

Vergonha do Mexia

Anónimo Há 1 semana

SE A EDP SE ESTÁ INTERESSADA NO CONTROLO ABSOLUTO DA EDPR O QUE TEM A FAZER É IR AO MERCADO COMPRAR OS RESPECTIVOS DIREITORS COM RESPEITO PELO PRINCÍPIO DA OFERTA E DA PROCURA. E NÃO SE PREVALECER DA SUA POSIÇÃO DE ACCIONISTA DOMINANTE...

Há 1 semana

Devem snifar coca. Aliás existem rumores que no gabinete do Mexia enrolam-se ganzas com notas de 100€ sacadas aos clientes da EDP. Na União Soviética ou na Alemanha nazi tratava-se destes doentes ou com frio ou com calor conforme o que fosse mais económico. Mas as baratas portuguesas votam nisto.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub