Banca & Finanças Administradores do Credit Suisse abdicam de quase metade dos bónus

Administradores do Credit Suisse abdicam de quase metade dos bónus

Entre os administradores que aceitaram o corte está o CEO, Tidjane Thiam, que em 2016 recebeu uma remuneração de 12 milhões de francos suíços (11,2 milhões de euros).
Administradores do Credit Suisse abdicam de quase metade dos bónus
Reuters
Negócios 14 de abril de 2017 às 11:08
Doze  administradores de topo do banco Credit Suisse concordaram em prescindir de 40% dos seus bónus relativos ao exercício de 2016, depois da pressão nesse sentido imposta pelo poder político e pelos accionistas.

Em causa estão, de acordo com o Financial Times, 78 milhões de francos suíços (73 milhões de euros à cotação actual) atribuídos aos executivos no início deste ano, apesar de a instituição ter registado em 2016 prejuízos de 2.700 milhões de francos suíços (2.530 milhões de euros).

Duas empresas representantes dos accionistas opuseram-se à concessão dos prémios, tal como um deputado suíço, Thomas Minder.

"Alguns accionistas expressaram reservas quanto à compensação variável atribuída à administração executiva," afirmou esta quinta-feira o banco em comunicado. 

Entre os administradores que aceitaram o corte está o CEO, Tidjane Thiam (na foto), que em 2016 recebeu uma remuneração de 12 milhões de francos suíços (11,2 milhões de euros).

"A minha maior prioridade é ver para lá da reestruturação do Credit Suisse em curso. (...) Espero que esta decisão contribua para acalmar algumas das preocupações manifestadas por alguns accionistas e permita à equipa executiva continuar a concentrar-se no trabalho que tem em mãos," escreveu Thiam numa carta a accionistas.

O Wall Street Journal escreve que, além do corte na remuneração variável, também a remuneração fixa será congelada. E recorda que o montante destinado ao pagamento de bónus de 2016 foi elevado no mês passado em 6% para mais de 3.000 milhões de francos suíços (2.800 milhões de euros), no que a Bloomberg refere ser um "esforço para reter talento" no banco.

Ao contrário, Deutsche Bank e UBS terão reduzido o montante destinado ao pagamento de bónus, acrescenta a agência noticiosa.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 16.04.2017

DE CHORAR... MESMO ASSIM CÁ SERIAM CONSIDERADOS CRIMINOSOS PELA ESCUMALHA QUE DESGOVERNA O PAÍS...!!!

Conselheiro de Trump 15.04.2017

Que venham para portugal,que o pais precisa deles,mas tragam nao um guarda chuva,mas um parasol para nao se APEDREJADOS na chuva dos SIVIDENDOS.Quem foi o martelao cabrao que disse que o maioral da cx geral depenados tinha de ser muito bem pago para o cargo que vai desempenhar.Pobre escuro sujo,cego

JCG 15.04.2017

Reter talento no banco!... de facto, vê-se que os tipos são muito talentosos...

Anónimo 14.04.2017

Muito bom artigo conteúdo de relevância trazendo para o leito noticia em primeira mão e dinâmico parabéns.
Veja Também:
http://www.bomnegociosonline.com.br/2017/04/13/inicio-avancado-digital-adailton-cesar/

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub