Transportes Aeroporto do Montijo com "forte impacto" mas sem especulação imobiliária

Aeroporto do Montijo com "forte impacto" mas sem especulação imobiliária

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP) não teme a especulação sobre os preços dos imóveis devido à construção de um aeroporto no Montijo, apesar do impacto no imobiliário, no emprego e na actividade económica local.
Aeroporto do Montijo com "forte impacto" mas sem especulação imobiliária
Lusa 14 de fevereiro de 2017 às 20:22

"Qualquer infra-estrutura aeroportuária terá sempre impacto no sector imobiliário: é necessário construir novas instalações, é necessário que no ambiente que se gera à volta do aeroporto haja novas instalações, novos equipamentos e novas situações de habitação e de comércio", afirmou à Lusa o presidente da assembleia-geral da APEMIP, João Pessoa e Costa, acrescentando que os aeroportos são hoje "grandes centros comerciais".

 

Confrontado com a eventual especulação imobiliária no Montijo e arredores, como aconteceu com Alcochete aquando do anúncio da construção nesse concelho de um aeroporto de raiz -- o que acabou por nunca acontecer -, o responsável afastou preocupações: "Não temo. Penso que o mercado imobiliário está muito profissional. Há sempre momentos de algum pico [de preços], mas depois passam rapidamente", afirmou.

 

"Os clientes nacionais e os clientes estrangeiros apercebem-se de que a cidade de Lisboa oferece sobretudo estabilidade, segurança, e, portanto, em termos de preços também penso que é isso que vão acompanhar e não vão sair deste quadro", acrescentou.

 

A APEMIP não dispõe ainda de valores relativos à procura e à venda de imóveis no Montijo, na sequência do anúncio do Governo de que a base aérea n.º 6 é a solução que aparenta maior viabilidade para acolher um aeroporto civil.

 

João Pessoa e Costa explica que ainda "é prematuro" dispor desses números, lembrando que a decisão final quanto à localização do futuro aeroporto civil ainda não foi tomada, apesar de haver uma certeza.

 

"Sabe-se que o novo aeroporto se situará na Área Metropolitana da Lisboa e, portanto, o impacto que essa nova infra-estrutura terá na actividade económica é sempre relevante e atendível", reiterou o presidente da assembleia-geral da APEMIP, constituída em 2004.

 

Alguns agentes imobiliários têm admitido à comunicação social um aumento de 10% no preço das casas.

 

João Pessoa e Costa espera que a nova infra-estrutura venha a servir, principalmente, a cidade de Lisboa e o turismo.

 

"De facto, os números do crescimento do turismo são importantes. O efeito multiplicador que têm o turismo e o sector imobiliário sobre outras actividades é absolutamente relevante e tudo isso são aspectos que são de saudar por esta decisão", concluiu.

 

Na quarta-feira é assinado um memorando de entendimento entre o Governo e a ANA -- Aeroportos de Portugal para o aprofundamento de estudos acerca da construção de um aeroporto no Montijo, no distrito de Setúbal.

 

Na semana passada, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou que o Governo acordou com a ANA a necessidade de aprofundar o estudo relativamente à solução que aparenta viabilidade, que é a do Montijo.

 

"Mas é uma viabilidade que está condicionada ainda a dados que só poderemos ter no final do ano, designadamente sobre o impacto de ser uma zona de migração de pássaros", frisou então António Costa.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Victor Palminha 15.02.2017

Empreendimento CORTE REAperto do Montijo zona calma vai iniciar a segunda fase de vendas
O hotel(projeto aprovado) ficará localizado entre 2000 sobreiros, com um picadeiro e zonas pedonais.
o vídeo da RE/MAX https://www.youtube.com

E ALVERCA ? POR ACASO, JÁ FOI EQUACIONADA ? 14.02.2017

Como bem afirmou um piloto, com muitos milhares de horas de vôo, NÃO SÃO OS AUTARCAS, NEM SÃO OS POLÍTICOS QUE TÊM CONHECIMENTOS PARA SE PRONUNCIAR SE A SOLUÇÃO "PORTELA+ MONTIJO" SERÁ BOA.
PARA ELE, PILOTO, A MELHOR SOLUÇÃO, DE LONGE, É "PORTELA + ALVERCA", ALÉM DA VIA FÉRREA,A 10 MTS. DE LISBOA.

A SOLUÇÃO MAIS CORRECTA É "PORTELA + ALVERCA" 14.02.2017

O excelente comentário de NICOLAU SANTOS é corroborado pelo de pilotos entrevistados, que têm afirmado que a solução PORTELA + MONTIJO não é sofrível, mas péssima, não só sob os aspectos logisticos, mas também técnicos, para já não falar na perturbação que causará à Natureza (aves de migração).

pub