Energia AIE avisa: Sem corte da OPEP, mercado pode ficar inundado de petróleo

AIE avisa: Sem corte da OPEP, mercado pode ficar inundado de petróleo

No seu relatório mensal, a Agência Internacional de Energia revela que a oferta global subiu para os 97,8 milhões de barris por dia, devido ao contínuo crescimento da produção petrolífera entre os países da OPEP e de outros como o Brasil, a Rússia, o Canadá e o Cazaquistão.
AIE avisa: Sem corte da OPEP, mercado pode ficar inundado de petróleo
Bloomberg
Negócios 10 de Novembro de 2016 às 11:36

A ausência de cortes na produção petrolífera entre os países da OPEP, o aumento da produção de outros países fora do cartel e o abrandamento da procura são os indicadores apontados pela Agência Internacional de Energia para uma possível situação de sobreprodução em 2017.


O aviso da Agência Internacional de Energia (AIE) chega no contexto da publicação do seu relatório mensal. O documento revela a oferta global subiu 800.000 barris por dia para os 97,8 milhões de barris por dia. O aumento deve-se ao contínuo crescimento da produção petrolífera entre os países da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e de outros como o Brasil, a Rússia, o Canadá e o Cazaquistão.

A OPEP, no entanto, tem vindo a passar por alguns desafios impostos por alguns membros, nomeadamente o Irão, que pretende recuperar os valores de produção anteriores às sanções internacionais. Também o Iraque considerou ficar de fora dos cortes. O grupo, no entanto, já delineou um plano de longo prazo para a matéria-prima.

A contínua resistência entre os países da OPEP a travagem na produção pode levar a uma desvalorização do petróleo para valores abaixo dos 40 dólares.

O  preço do barril de Brent encontra-se actualmente a subir 0,91% para 46,78 dólares por barril. Já o West Texas Intermediate (WTI) encontra-se em quedas de 0,04% para 45,25 dólares por barril.

O cartel reunir-se-á no fim deste mês em Viena para discutir os cortes na produção, para valores entre os 32,5 e os 33 milhões de barris por dia. "Qualquer que seja o resultado, o encontro de Viena terá um grande impacto no eventual e tão adiado reequilíbrio do mercado de petróleo", avança a Agência Internacional de Energia citada pela Reuters.

A mesma organização avança que se não se chegar a um consenso e alguns membros continuem a aumentar a sua produção, o mercado manter-se-á excedentário ao longo do ano, com poucas perspectivas no aumento do preço do petróleo.

Para os países produtores fora do cartel, a agência prevê uma taxa de crescimento da produção de 500.000 barris por dia em 2017.

Em termos globais, a mesma agência prevê um crescimento da extracção em 1,2 milhões de barris por dia até ao final do ano e um consumo a crescer ao mesmo ritmo no próximo ano. No entanto, sublinha, o abrandamento do crescimento económico mundial e um menor consumo em países como a Índia e a China são dois factores que poderão inviabilizar uma melhoria na procura de petróleo em 2017.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
VERGONHOSO Há 3 semanas

È Simplesmente vergonhoso ! ENTÃO TER ENERGIA BARATA É MAU PARA A HUMANIDADE ? tem que se andar a enriquecer CARTEIS que vendem com lucro de 1000% ? e qual é a preocupação da AIE ? PROTEJER os cartéis e os que ganham Triliões com o preço exagerado enquanto crianças morrem de fome

pub
pub
pub
pub