Aviação Air Berlin avisa que cancelamentos de voos ameaçam existência da companhia

Air Berlin avisa que cancelamentos de voos ameaçam existência da companhia

Depois de mais de 200 aviões da empresa terem ficado em terra, devido a protestos dos pilotos, a administração veio alertar que a situação não facilita o futuro da companhia, insolvente há quase um mês.
Air Berlin avisa que cancelamentos de voos ameaçam existência da companhia
Paulo Zacarias Gomes 12 de setembro de 2017 às 11:14
A administração da companhia aérea alemã Air Berlin, insolvente desde 15 de Agosto, alertou esta terça-feira que o cancelamento de mais de 200 voos, registado durante o dia de hoje, ameaça a existência da empresa.

"Nenhuma empresa poderá ver-se em piores lençóis do que a Air Berlin actualmente," afirmou o administrador com o pelouro de operações, Oliver Iffert, numa mensagem a colaboradores citada pela Reuters. 

Em causa estão os 235 voos cancelados esta terça-feira, 12 de Setembro, depois de cerca de 200 pilotos terem metido baixa por doença. Destes, 42 aviões operados pela Air Berlin estão a ser operados pelas subsidiárias low-cost da Lufthansa, Eurowings e Austrian.

"Devemos regressar à estabilização das operações. Isso é crucial para levar as conversações com os investidores a uma conclusão bem-sucedida," acrescentou Iffert.

De acordo com o Bild, quase todos os aviões da companhia estão em terra, depois de na segunda-feira alegadamente as negociações com um potencial - para transferência de mais de 1.200 pilotos - terem sido interrompidas pela administração.

A paralisação afecta, para já, dois voos em Portugal: a chegada do voo de Berlin-Tegel com destino ao aeroporto do Funchal (das 9:40 passou para as 12:35) e o percurso de regresso àquele aeroporto alemão (previsto para as 10:30, passou para as 13:20). As eventuais alterações podem ser consultadas no site da companhia.

"Este é um puro acto de desespero. Lamentamos pelos passageiros, mas estamos a lutar pela nossa existência," afirmou um piloto ao tablóide germânico, que fala de uma "revolta dos pilotos" contra a administração. A confederação de sindicatos de pilotos de cabine teme que as operações de longo curso da companhia venham a ser interrompidas. 

Este fim-de-semana foi conhecido o interesse do investidor alemão Hans Rudolf Wöehrl, que detém o Intro Group, que apresentou uma proposta de 500 milhões de euros pela Air Berlin.

O comunicado emitido pelo investidor alemão revela ainda que convidou as companhias aéreas Lufthansa, a Condor e a Germania, bem como o operador turístico TUI e o investidor Niki Lauda para participarem nesta operação em conjunto com Wöehrl.

A companhia aérea alemã Air Berlin anunciou no dia 15 de Agosto um pedido de insolvência por falta de apoio financeiro do seu maior accionista - a Etihad Airways. E está a atrair vários interessados. Para solucionar a situação de forma imediata, a Alemanha realizou um empréstimo-ponte temporário no valor de 150 milhões de euros, algo que já foi alvo de aprovação da Comissão Europeia.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Escusado será dizer que os sindicalistas não concordam. E também queriam aumentos porque achavam que andavam a oferecer trabalho muito abaixo do seu preço de mercado. Alguns até defendiam convictamente que tinham andado a trabalhar literalmente de graça. Por outras palavras, queriam que eu lhes pagasse mais nas facturas, nas contribuições e nos impostos (e a oferta da Air Berlin deixasse obviamente de ser "low-cost"). Não, obrigado. É melhor assim. Só vale a pena ficar neste segmento de mercado quem tem alguma mais-valia com procura para oferecer nele. Os ex-trabalhadores que se candidatem todos agora aos serviços de aviação privada para grandes multimilionários. Auf Wiedersehen. Acho que o Ronaldo está a contratar.

Anónimo Há 1 semana

Se fosse uma empresa Portuguesa iam enrolar, enrolar e depois rejeitar tal empréstimo. Uns são filhos outros enteados sem duvida. Uma empresa mais q falida...

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub