Aviação Air Berlin cai quase 10% e tem mais um interessado

Air Berlin cai quase 10% e tem mais um interessado

A companhia aérea Condor está, tal como a Lufthansa, entre as pretendentes às operações da segunda maior transportadora aérea alemã, que ontem pediu a insolvência. Hoje as quedas em bolsa continuam, mas em menor magnitude.
Air Berlin cai quase 10% e tem mais um interessado
Paulo Zacarias Gomes 16 de agosto de 2017 às 09:25
A companhia aérea alemã Air Berlin, que esta terça-feira anunciou um pedido de insolvência por falta de apoio financeiro do seu maior accionista - a Etihad Airways - continua a perder valor em bolsa de forma pronunciada pela segunda sessão consecutiva, mas com recuos ainda assim menores do que os da véspera.

No dia em que é conhecido o interesse de mais uma companhia nos activos da empresa germânica, os títulos da Air Berlin recuam 9,61% para 0,461 euros, embora já estivessem estado a perder 13,73% esta quarta-feira, 16 de Agosto. Nada que se compare com os 50,9% que ontem chegou a tombar e que levaram o valor da acção para um mínimo histórico de 38 cêntimos. Na sessão de ontem, a acção fechou a perder 34%.

A continuação das quedas coincide com o anúncio esta manhã de que, além da maior companhia alemã, a Lufthansa, também existe interesse da Condor "e de outras companhias" em cooperar ou em comprar activos da Air Berlin. A garantia do interesse da companhia do grupo Thomas Cook foi dada esta manhã pelo vice-ministro da Economia, Matthias Machnig, à ARD TV.

A apresentação à insolvência não ameaça as operações, sendo o funcionamento regular dos voos programados garantido por um empréstimo-ponte de 150 milhões de euros concedido pelo banco de fomento alemão. Ontem, a Lufthansa confirmava estar em negociações para comprar partes do grupo e a explorar a possibilidade de integrar mais funcionários.

Já a companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos - cuja decisão de não aumentar a exposição à empresa germânica precipitou o pedido de insolvência - assumiu que está disponível para ajudar a encontrar uma solução comercialmente viável para a companhia.

A Air Berlin estava em reestruturação desde Setembro do ano passado, que passou pela concentração da empresa em rotas dentro da Alemanha, para as maiores cidades europeias e mais destinos de longo curso, reduzindo o número de rotas em mais de dois terços - de 387 para menos de 100.

Além disso reduziu a frota para 75 aviões, tendo transferido 35 aeronaves para a Lufthansa (Eurowings) no âmbito de um acordo de leasing. Em Março foram realocados 35 aparelhos para a Niki, estando dependente de aprovação do regulador a criação de uma joint-venture entre Air Berlin, Niki e TUI.

No final de 2016, a empresa anunciou a venda de 49,8% na austríaca Niki à Etihad, o que representaria uma injecção de 300 milhões de euros na companhia alemã. A Etihad, com 29,21% da empresa, é o maior dos seus mais de 33.000 accionistas.

O exercício de 2016 encerrou com prejuízos de 781,9 milhões de euros, tendo arrancado 2017 com um resultado líquido negativo de 293,3 milhões, abaixo dos 464,9 milhões de prejuízos no trimestre anterior.

No ano passado, a Air Berlin transportou 29,9 milhões de passageiros para 135 destinos em todo o mundo.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.08.2017

Escusado será dizer que os sindicalistas não concordam. E também queriam aumentos porque achavam que andavam a oferecer trabalho muito abaixo do seu preço de mercado. Alguns até defendiam convictamente que tinham andado a trabalhar literalmente de graça. Por outras palavras, queriam que eu lhes pagasse mais nas facturas, nas contribuições e nos impostos (e a oferta da Air Berlin deixasse obviamente de ser "low-cost"). Não, obrigado. É melhor assim. Só vale a pena ficar neste segmento de mercado quem tem alguma mais-valia com procura para oferecer nele. Os ex-trabalhadores que se candidatem todos agora aos serviços de aviação privada para grandes multimilionários. Auf Wiedersehen. Acho que o Ronaldo está a contratar.

comentários mais recentes
Anónimo 16.08.2017

A folha salarial e de pensões do excedentarismo e sobrepagamento bem acima do preço de mercado é muito onerosa e nunca parou de aumentar. No sector público ou no privado, melhoria do produto ou serviço com redução dos custos dos mesmos implica investimento em bens de capital e boa gestão de recursos humanos. A referida folha não o permite porque a máfia sindical não deixa. Kaputt.

Anónimo 16.08.2017

Mais uma vitória do troglodita sindicalismo anti-mercado. A Alemanha tem boa segurança social, valha-lhes isso. Agradeçam este facto à Siemens (que faz gestão de recursos humanos frente à bandidagem sindical) e afins... https://www.reuters.com/article/us-siemens-restructuring-idUSKBN187110

Anónimo 16.08.2017

Numa economia avançada inerentemente deflacionista por força da acentuada e irreversível substituição de factor produtivo trabalho por factor produtivo capital, do avanço tecnológico exponencial e do envelhecimento da população, que será cada vez mais saudável mesmo em avançada idade, as taxas de juro negativas serão não só uma realidade como uma necessidade.

Anónimo 16.08.2017

Mais uma vez, nesta ou em qualquer outra economia rica e desenvolvida ou não tão rica e desenvolvida, obrigado aos sindicatos dos inusitados direitos adquiridos vitalícios sempre a subir, à prova de condições de oferta e procura de mercado, blindados perante as melhores, mais adequadas e racionais técnicas e práticas da gestão, isentos da mais do que justificável implementação de tecnologia e inovação económica e eficiente amplamente disponível, tantas vezes alheios a qualquer zelo afecto ao processo de criação de valor, mas sempre prontos para extrair o máximo de valor que puderem extrair de Estados, economias e sociedades à custa dos mais elementares direitos, liberdades e garantias dos restantes agentes económicos seus concidadãos, sejam eles clientes, consumidores, contribuintes, utentes, inovadores, ofertantes de trabalho com elevada procura, empreendedores, accionistas ou investidores. https://eturbonews.com/77790/airberlin-trying-minimize-strike-effects-its-passengers-much-pos

ver mais comentários
pub