Turismo & Lazer Airbnb elimina mais de 1.000 casas ilegais para alugar em Barcelona

Airbnb elimina mais de 1.000 casas ilegais para alugar em Barcelona

O serviço on-line de aluguer de casas respondeu assim ao prazo dado pela autarquia para retirar do ar as ofertas consideradas ilegais, muitas das quais são sub-alugadas por inquilinos, uma actividade que está a profissionalizar-se.
Airbnb elimina mais de 1.000 casas ilegais para alugar em Barcelona
reuters
Negócios 15 de agosto de 2017 às 11:42
A plataforma electrónica de reserva de apartamentos para férias, Airbnb, eliminou do seu site mais de mil ofertas localizadas em Barcelona, acedendo ao ultimato dado pela câmara da cidade catalã que considerava ilegais aqueles apartamentos.

Para a autarquia, a decisão da Airbnb é um "ponto de viragem" na atitude da empresa e demonstra a sua "boa-vontade" para trabalhar com as autoridades, refere o jornal espanhol Expansión

Em Setembro, Barcelona vai adoptar uma solução semelhante à que está em implementação em Portugal, em que a promoção de oferta de alojamento local nestas plataformas tem de ser acompanhada pelo número do registo oficial dos apartamentos a alugar.

Essa obrigatoriedade levou a que, nos três meses até Julho, o número de novos alojamentos locais registados em Portugal tenha duplicado devido à legalização de unidades já existentes e que ainda não tinham entrado nas contas oficiais do Estado.

Segundo a câmara barcelonesa, cerca de 15% dos apartamentos são sub-arrendados por inquilinos e não pelo proprietário, o que considera um prática ilegal mas que se vem profissionalizando. A câmara estima que haja entre 5.000 e 6.000 apartamentos ilegais em Barcelona. 

De há um ano para cá, a autarquia abriu mais de 6.000 processos contra apartamentos em situação ilegal de aluguer e mais de 2.000 ordens de encerramento. E disponibilizou uma linha de contacto e um site para denúncias de situações potencialmente irregulares que já recebeu um total de 7.500 queixas.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub