Web Summit Al Gore: "Temos de fazer uma distinção entre Trump e os EUA"

Al Gore: "Temos de fazer uma distinção entre Trump e os EUA"

O antigo vice-presidente dos Estados Unidos condenou a decisão de abandonar o acordo de Paris, mas adiantou que o país vai superar as metas com que se comprometeu. E sublinhou que a comunidade da inovação tem um papel fundamental na resolução da crise climática.
Al Gore: "Temos de fazer uma distinção entre Trump e os EUA"
Bruno Simão/Negócio
Rita Faria 09 de novembro de 2017 às 18:03
Aplaudido por uma plateia em êxtase, Al Gore subiu ao palco do Web Summit, no último dia do evento, com a promessa de que não iria discutir política. Afinal, estava lá para falar de como a comunidade da inovação pode ajudar a resolver a crise climática. No entanto, o conhecido activista ambiental não pôde evitar falar do actual líder da Casa Branca quando o discurso culminou no Acordo de Paris.

"Há um movimento global que está a ser liderado pelas empresas. Mas em muitas partes do mundo, os políticos estão a atrasar esta revolução", afirmou. "Mas eu disse que não ia falar da política do meu país".

Al Gore considerou que o Acordo do clima de Paris "foi um avanço genuíno" que juntou todos os países do mundo na luta pelo mesmo objectivo, e lamentou que os Estados Unidos tenham anunciado a sua saída.

No entanto, ninguém seguiu as pisadas da maior economia do mundo. "No dia a seguir, todos os países disseram que se mantinham. Muitos estados dos EUA também disseram ‘nós ainda estamos no acordo’. E, na verdade, os Estados Unidos vão ultrapassar os compromissos que assumiram no âmbito do acordo. Temos de fazer uma distinção entre Trump e os EUA. Porque o meu país vai superar os seus compromissos", adiantou.

Ainda assim, o vencedor do Prémio Nobel explicou que, mesmo que todos os países cumpram os seus compromissos, "isso não chega para resolver a crise". "É preciso um projecto global para resolver a crise climática", acrescentou.

Na opinião de Al Gore, os empreendedores e a comunidade da inovação de hoje têm um papel fundamental nessa resposta, "especialmente aqueles que desenvolvem tecnologias que promovem a eficiência e a sustentabilidade".

"Quero que saibam que há um mercado crescente para o tipo de iniciativas que vocês desenvolvem e cada vez mais investidores interessados em investir em negócios que criam um futuro mais próspero e sustentável", disse Al Gore, dirigindo-se à plateia.

O antigo vice-presidente dos Estados Unidos deixou uma mensagem positiva sobre a resolução da crise climática, dizendo que "não é possível condenar a próxima geração".

"Há três questões importantes: Temos mesmo de mudar? A resposta é sim. Podemos mudar? A resposta é um grande sim. Vamos mudar? É a mais importante. O propósito de estar aqui não é entreter-vos. É recrutar-vos para serem parte da solução para a crise do clima. Temos de mudar, temos como mudar e, com a vossa ajuda, vamos mudar", concluiu.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Quanto pagaram a Al Gore para vir dizer o óbvio? este politico ganha rios de dinheiro com o tema do Ambiente, ele é o 1º a ganhar o resto ele está a marimbar-se.

Alberto Sousa Há 1 semana

Talvez seja este o prinçipio de UMA NOVA ORDEM MUNDIAL. Uma mudança ambiental, é mais que necessária, senão será tarde demais. Mas será insuficiente, se não se mudar drásticamente também a mentalidade dos povos. Só quando o homem deixar a ganância para trás como coisa do passado, e olhar o futuro.

General Ciresp Há 1 semana

Este MERDAS reveste-se do ditado que diz:olha para o que eu digo e nao para o que eu faco.num passado recente era dos que mais poluia na America.Enganar portugueses e como quem engana criancas.

Carlos Maia Há 1 semana

Caro Miguel Cunha, também já coloquei as minhas ações dos CTT à venda por 6,50€ até Janeiro de 2018. Não sei isto serve para alguma coisa, mas se todos fizerem o mesmo pode ser que dê algum resultado. Passem a mensagem, as redes sociais podem ser uma "arma nova" a favor dos pequenos acionistas.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub