Aviação Alitalia pondera despedir até 2.000 pessoas

Alitalia pondera despedir até 2.000 pessoas

A companhia aérea italiana poderá cortar o seu efectivo entre 700 a 2.000 trabalhadores e retirar 20 aeronaves da sua frota, além de renegociar os acordos de parceria para voos transatlânticos, avança a Reuters.
Alitalia pondera despedir até 2.000 pessoas
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 24 de Novembro de 2016 às 17:24
A italiana Alitalia está a estudar a possibilidade de despedir entre 700 e 2.000 funcionários, cortar rotas domésticas e regionais consideradas não rentáveis e deixar de operar pelo menos 20 aeronaves. 

Segundo a Reuters, que cita fontes próximas do processo, as medidas estão a ser ponderadas pela companhia aérea para tentar inverter a situação financeira da empresa, que tem visto o negócio prejudicado além das low-cost pela concorrência dos comboios de alta velocidade nas ligações internas.

Além do Estado italiano, os cerca de 500 mil euros de perdas diários estão também a fazer mossa nas contas da Etihad, a empresa de Abu Dhabi que há dois anos comprou 49% da italiana por 560 milhões de euros, na expectativa de que desse lucro até 2017.

Mas mesmo com a redução de um sexto da sua força laboral e com uma frota menor em operação, a empresa deverá continuar a registar prejuízos nos próximos dois a três anos, estima a mesma fonte. 

A Alitalia não quis comentar as informações divulgadas pela Reuters, mas avançou que a próxima fase do plano será apresentada aos empregados em breve. A poucas semanas do Natal, época tradicionalmente de grande afluxo de passageiros, a reacção dos sindicatos à possibilidade de cortes pode vir a ameaçar a operação da empresa.

A companhia deverá ainda tentar renegociar os termos da parceria com a Air France-KLM e com a norte-americana Delta Air Lines para aumentar o tráfego nas rotas transatlânticas, com maior margem de lucro.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub