Turismo & Lazer Alojamento local fiscalizado online leva a 30 contra-ordenações 

Alojamento local fiscalizado online leva a 30 contra-ordenações 

A actividade de um estabelecimento foi suspenso por "não realização de análises de verificação da qualidade da água aos parâmetros em incumprimento e não sujeitar a água distribuída a um processo de desinfecção".
Alojamento local fiscalizado online leva a 30 contra-ordenações 
Miguel Baltazar
Lusa 07 de agosto de 2017 às 14:31
A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fiscalizou 142 operadores de alojamento local no primeiro mês de cruzamento de dados com as plataformas digitais, tendo instaurado "30 processos de contra-ordenação" e suspendido a actividade de um estabelecimento.

Os 30 processos de contra-ordenação instaurados tiveram como motivos a "violação das regras de identificação e publicidade dos estabelecimentos de alojamento local, falta de cumprimento dos requisitos de segurança aplicáveis aos estabelecimentos de alojamento local e falta de sinalização no interior dos locais", disse à agência Lusa fonte da ASAE.

Já a suspensão da actividade de um dos 142 estabelecimentos fiscalizados está relacionada com a "não realização de análises de verificação da qualidade da água aos parâmetros em incumprimento e não sujeitar a água distribuída a um processo de desinfecção".

Desde 3 de Julho que a ASAE iniciou uma operação de fiscalização da actividade de alojamento local com base no cruzamento de dados da oferta existente nas plataformas 'online' de arrendamento de curta duração, bem como os sites de promoção turística, com a informação dos registos oficiais, designadamente o Registo Nacional de Estabelecimentos de Alojamento Local (RNAL) e o Registo Nacional de Turismo (RNT).

Esta operação de fiscalização da ASAE surge no âmbito da alteração do Regime Jurídico da Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos (RJET), que determinou que a partir de 1 de Julho deste ano é obrigatório constar das plataformas de oferta e disponibilização de serviços de alojamento turístico a informação relativa aos operadores económicos que procedem à oferta destes serviços, nomeadamente o número do registo oficial do estabelecimento.

"A ASAE no âmbito das suas competências de fiscalização da actividade de alojamento local e, tendo em consideração a criação de brigadas especializadas direccionadas para este sector, reforçou a fiscalização atendendo ao mercado crescente deste tipo de oferta, que se encontra disponível directamente em estabelecimentos físicos ou através da disponibilização em plataformas electrónicas", reforçou a entidade, em resposta à agência Lusa.

Desde Julho deste ano que as plataformas digitais que anunciam alojamento local ou quartos para alugar habilitam-se a multas até 32.500 euros se omitirem o registo oficial do estabelecimento.

"As plataformas electrónicas que disponibilizem, divulguem ou comercializem alojamento (...) devem exigir e exibir na plataforma o respectivo número de Registo Nacional de Turismo", lê-se no decreto-lei que implementa a medida Simplex+ «Licenciamentos Turísticos+ Simples», alterando o regime RJET.

São exemplos de plataformas digitais que anunciam alojamento o Airbnb, o Booking, o Sapo Casa, o Olx ou o Homeaway.

Esta obrigação abrange tanto os anúncios de empreendimentos turísticos que prestam serviços de alojamento, mediante remuneração, como as instalações ou os estabelecimentos que, embora destinados a proporcionar alojamento temporário com fins lucrativos, não reúnam os requisitos para serem considerados empreendimentos turísticos, como o alojamento local ou o serviço de alojamento num quarto.

Os proprietários dos alojamentos já tinham a obrigação de registo e de divulgação do registo junto dos turistas, mas as plataformas digitais só a partir de Julho deste ano é que passaram a poder ser penalizadas, independentemente dos proprietários, pela sua ausência.

As coimas variam entre 125 euros e 3.250 euros, tratando-se de pessoas singulares, até de 1.250 euros a 32.500 euros para empresas (pessoas colectivas).

A Lusa questionou à ASAE sobre o valor das coimas aplicadas no âmbito desta operação de fiscalização, mas não obteve resposta.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 1 semana

SE as pessoas ganharem mais dinheiro, gastam mais e esse dinheiro entra logo no circuito dos impostos.Já o dinheiro que vai para Offshores nunca mais o vemos.Por isso se não fizessem tanta perseguição a quem ganha algum honestamente, não teriamos a economia tão destruida.

Nunca sei quem é o meu Visinho Há 1 semana

Mafioso, ilegal, terrorista, Radical , Pedófilo, Assassino, criminoso, fugido á Justiça, ou simplesmente um turista ! Nunca sei quem é o meu vizinho !

Já começou . . . Há 1 semana

Já comecou ! a partir daqui é sempre a descer ! O alojamento local teve o BOOM que teve porquê ? PORQUE ERA ILEGAL ! PPORQUE NÃO PAGAVA IMPOSTOS, E TAXAS DE LICENCIAMENTO - como os TUK TUK ! a partir de agora teem que aturar os parasitas como os demais do ramo hoteleiro / Turismo !

Mr.Tuga Há 1 semana

Absolutamente ANEDOTICO o valor das coimas.... Um INCENTIVO ao incumprimento....

Tipico de tgaLândia dos ATRASADITOS!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub