Telecomunicações Altice arranca venda de activos com "data centers" na Suíça

Altice arranca venda de activos com "data centers" na Suíça

A empresa que controla o Meo chegou a acordo para vender as operações que detém na Suíça por 183 milhões de euros. As acções reagem em alta.
Altice arranca venda de activos com "data centers" na Suíça
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 01 de dezembro de 2017 às 09:54

A Altice prometeu que iria vender activos para reduzir a dívida e acalmar as preocupações dos investidores com a sua elevada alavancagem. Esta sexta-feira começou a cumprir, tendo anunciado um acordo para vender várias operações que detém na Suíça.

 

Em causa está uma empresa de "data centers" que fornece soluções de telecomunicações na Suíça. A Green.ch e a Green Datacenter vão ser alienadas à InfraVia Capital Partners, num negócio avaliado em 241 milhões de francos suíços (183 milhões de euros).

 

Depois de ter anunciado os resultados do terceiro trimestre, as acções da Altice entraram em queda livre na bolsa, levando a gestão da companhia a anunciar que iria colocar um ponto final na estratégia de crescimento por aquisições e encetar um plano de venda de activos.

 

O objectivo passa por acalmar os investidores, reduzindo a dívida da companhia, que supera os 50 mil milhões de dólares e é a mais elevada entre todas as empresas de telecomunicações europeias.

 

Na calha para vender estão também as torres de comunicações em França e Portugal, que segundo as estimativas do RBC estão avaliadas entre 3 mil milhões a 4 mil milhões de euros.  

 

A empresa de Patrick Drahi está também em negociações para vender as operações na República Dominicana, num negócio que poderá render 3 mil milhões de euros.

O anúncio da venda das operações na Suíça está a ter impacto positivo nas acções, que avançam 3,86% para 6,89 euros. Os títulos já estiveram a subir 6,27%, mas acumulam ainda uma queda de 63,7% este ano, tendo já negociado abaixo do preço de entrada em bolsa.

 

A Altice apresentou uma proposta para comprar a Media Capital, a dona da TVI. Mas o negócio está agora a ser analisado pela Autoridade da Concorrência, que terá de autorizar a operação para esta avançar. Depois das alterações na gestão do Meo, a empresa garantiu que em Portugal a estratégia de integração e convergência nas comunicações, media e conteúdos e publicidade digital é para manter.

Esta terça-feira, o director de operações da Altice e CEO da francesa SFR considerou que o nível de endividamento da companhia está dentro daquilo que é considerado normal para o sector das telecomunicações. Alain Weill acrescentou que a empresa está a viver as dores de crescimento associadas a uma progressão muito rápida.

Na semana passada, a agência de notação Standard & Poor's cortou o outlook da dívida da operadora e das suas subsidiárias (Altice International e Altice Luxembourg), de estável para negativo. A agência apontou como razões o recente "colapso" da capitalização bolsista do grupo e a deterioração da confiança dos credores, além da performance da operação francesa SFR. 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Caro Jornal de Negócios, é um facto que a Altice em Poortugal, tal como outras organizações portuguesas, está de mãos e pernas atadas devido ao governo socialista, à constituição do PREC de 1976 e à legislação laboral. E isso tem feito e continuará a fazer toda a diferença pela negativa. "As empresas de telecomunicações, tal como outras companhias dos sectores tecnológicos, estão a reestruturar-se, eliminando postos de trabalho a favor da automação, e reposicionando-se em novos projectos" Fonte: “Telecommunications providers, like other tech companies, are undergoing restructuring, losing jobs to automation, and pivoting to new projects,” (Relatório da Challenger, Gray & Christmas de Março de 2017) https://www.challengergray.com/press/press-releases/2017-march-job-cut-report-cuts-rise-17-percent-telecom-retail

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A COMPRA DA MEDIA CAPITAL PELA ALTICE ESTA CHUMBADA CONSIDERADA COMO DEFINITIVA DECIDE A ERC QUE ESTE PROCESSO É IGUAL A OPERAÇÃO MARQUES...

pertinaz Há 2 semanas

PEANURS COMO DIZ JJ... NÃO VAI SERVIR DE NADA PORQUE O BURACO É GIGANTESCO...!!!

BANCO SUIÇO Há 2 semanas

Boa pedir um empréstimo ao Banco Suíço RIOFORTE que ele empresta a fundo perdido uma taxa baichina comixosos...

GANANCIA a qualquer custo Há 2 semanas

Já la vai o tempo em que o monopólio queria gerir tudo e comer toda a gente a qualquer custo, cobravam tudo e mais alguma coisa sem escrúpulos, já eram donos de tudo e de todos, com tanta alteza tornam-se arrogantes eles é que sabem e dominam o mundo é nosso, aganancia sem escrúpulos leva a isto.

ver mais comentários
pub