Telecomunicações Altice espera encaixar 3 mil milhões na República Dominicana

Altice espera encaixar 3 mil milhões na República Dominicana

Com a venda da operação no país das Caraíbas, a dona da Meo quer reduzir o seu forte endividamento que ronda os 50 mil milhões de euros.
Altice espera encaixar 3 mil milhões na República Dominicana
Miguel Baltazar
André Cabrita-Mendes 24 de novembro de 2017 às 09:18
A Altice espera arrecadar 3 mil milhões de euros com a venda da sua operação na República Dominicana. Com este negócio a dona da Meo quer reduzir o seu forte endividamento: 51.000 milhões de euros.

A notícia é avançada pela agência Reuters que cita duas fontes não identificadas.

O negócio foi inicialmente avançado pelo Financial Times na quinta-feira, que apontava que a venda da rede de telecomunicações no país caribenho ainda está na fase inicial e os planos podem ainda ser alterados.

A companhia francesa entrou no país em 2013 quando comprou por 1.100 milhões de euros à também gaulesa Orange uma companhia de telecomunicações móveis e fixas que agora se chama Altice Dominicana. A empresa serve um total de 4,8 milhões de clientes neste mercado das Caraíbas. A Altice Dominicana gerou 718 milhões de euros de receita em 2016, correspondendo a 3% das receitas do grupo.

Além do negócio caribenho, a Altice também está a preparar a venda de torres de comunicações em França, conforme avançou a Bloomberg esta semana. Segundo as estimativas do RBC, as torres de comunicações que a Altice detém em França e Portugal estão avaliadas entre 3 mil milhões a 4 mil milhões de euros.

A liderança da operação portuguesa da Altice sofreu mudanças esta semana. Alexandre Fonseca é o novo presidente executivo da Meo e Cláudia Goya passou para presidente da administração.

Recorde-se que a Altice apresentou uma proposta para comprar a Media Capital, a dona da TVI. Mas o negócio está agora a ser analisado pela Autoridade da Concorrência, que terá de autorizar a operação para esta avançar.



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Caro Jornal de Negócios, é um facto que a Altice em Poortugal, tal como outras organizações portuguesas, está de mãos e pernas atadas devido ao governo socialista, à constituição do PREC de 1976 e à legislação laboral. E isso tem feito e continuará a fazer toda a diferença pela negativa. "As empresas de telecomunicações, tal como outras companhias dos sectores tecnológicos, estão a reestruturar-se, eliminando postos de trabalho a favor da automação, e reposicionando-se em novos projectos" Fonte: “Telecommunications providers, like other tech companies, are undergoing restructuring, losing jobs to automation, and pivoting to new projects,” (Relatório da Challenger, Gray & Christmas de Março de 2017) https://www.challengergray.com/press/press-releases/2017-march-job-cut-report-cuts-rise-17-percent-telecom-retail

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

3000 milhões!?
Será que estes tipos são donos da ilha?

António Há 2 semanas

Ora bem, faturou em 2016 718 milhões e vão vender por 3.000 milhões, mais de 4 vezes a faturação anual.

Claro está-se mesmo a ver que sim! Não estaráum 0 a mais no preço de venda?

Anónimo Há 2 semanas

A divida deve ser paga com geração de excedentes. Vender activos para pagar divida não resolve o problema estrutural. Veja se o caso da EDP. Vende activos, créditos mas a empresa não gera excedentes para reduzir os €15 mil milhões de divida. No caso de Altice, vamos ver quem paga esse valor...

a mota vai - se ESTAMPAR Há 2 semanas

a mota e engil VAI descer para um TERÇO do seu valor até ao fim deste ANO porque os novos cotratos foram TODOS pelo CANO ABAIXO e porque SUBIU 300 % em 5 meses por isso VENDAM antes do FATIDICO acidente e comprem BCP que vai QUADRIPLICAR

ver mais comentários
pub