Telecomunicações Altice Portugal substitui redes ardidas por fibra óptica em 22 concelhos  

Altice Portugal substitui redes ardidas por fibra óptica em 22 concelhos  

O presidente executivo da Altice Portugal anunciou hoje que vai substituir as redes antigas por redes de nova geração ou fibra óptica em 22 concelhos de cinco distritos afectados pelos incêndios.
Altice Portugal substitui redes ardidas por fibra óptica em 22 concelhos  
Miguel Baltazar
Lusa 07 de dezembro de 2017 às 14:59

"Uma das medidas mais relevantes face ao impacto e à extensão da destruição daquilo que ardeu é que estamos a repor em redes de nova geração e em fibra óptica. Isto vai acontecer em 22 concelhos de cinco distritos (Viseu, Guarda, Castelo Branco, Coimbra e Leiria)", afirmou Alexandre Fonseca, no final da reunião do comité executivo da Altice Portugal, que decorreu em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

 

O novo presidente executivo da Altice Portugal adiantou ainda que a extensão das redes a reconstruir superam os mil quilómetros que vão chegar a populações que não tinham outra solução a não ser o cobre.

 

"Isto vai significar que nestes 22 concelhos, a cobertura de fibra óptica ultrapassará em média os 50% da população desses concelhos com fibra óptica", frisou.

 

Alexandre Fonseca anunciou ainda um conjunto de acções de responsabilidade social decididas em sede de comité executivo para apoio às populações.

 

"Decidimos a doação de 500 peças de mobiliário de escritório que vai ser feita essencialmente, em quatro concelhos - Oliveira do Hospital, Oliveira de Frades, Mira e Santa Comba Dão [...] - para o tecido empresarial destes concelhos poderem retomar a sua laboração normal e também equipamentos 4G para substituir a rede fixa que possa ter sido afectada", conclui.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Marco Há 2 dias

Propaganda, depois das falhas, e das mortes. Para a Autoridade da Concorrência permitir a compra da TVI. A ERC também não os teve no sítio...uma Vergonha. A acompanhar...

Pois... Há 2 dias

O SIRESP não funcionou, ardeu tudo e morreram pessoas...e agora vêm dar uma de salvadores da pátria e até põem fibra onde havia cobre..para utilização dos que sobreviveram...
Estes tipos não têm bom-senso nem noção do ridículo!

Anónimo Há 3 dias

Os colaboradores cujo posto de trabalho já não se justifica, quer seja na banca, na administração pública ou noutro sector qualquer, já foram remunerados acima do seu preço de mercado durante muito tempo, e por isso o Estado, a economia e a sociedade nada lhes deve. Antes pelo contrário, os colaboradores nessa situação são devedores de uma dívida colossal ao Estado, à economia e à sociedade, que se avoluma a cada dia que passa sem que sejam despedidos.

Para o Anónimo ! Há 3 dias

Se para sí telefone fixo e adsl sao redes importantes .. sim é verdade.. arderam redes importantes.
para mim qualquer infra é importante.. para sí importante é vir para aqui fazer propaganda....

ver mais comentários