Telecomunicações Altice vai avançar com queixa-crime contra Paulo Azevedo

Altice vai avançar com queixa-crime contra Paulo Azevedo

A Altice vai avançar com uma queixa-crime contra Paulo Azevedo devido às declarações do patrão da Sonae sobre o negócio da Media Capital poder criar uma Operação Marquês dez vezes maior.
Altice vai avançar com queixa-crime contra Paulo Azevedo
Sara Ribeiro 24 de outubro de 2017 às 12:03

A Altice vai avançar com um processo contra Paulo Azevedo. Em causa estão as declarações do gestor, noticiadas na passada sexta-feira, relativas à compra da Media Capital pela Meo.

 

"Na sequência das afirmações do Engenheiro Paulo Azevedo, reproduzidas nos media portugueses ao longo do fim-de-semana a Meo decidiu avançar com uma queixa-crime contra o Engenheiro Paulo Azevedo", lê-se no comunicado emitido pela empresa.

 

Na passada sexta-feira o presidente da Sonae criticou a "não decisão" da ERC sobre a compra da Media Capital pela Altice, afirmando que o negócio "criará condições" para haver indignação com a "descoberta de uma operação'Marquês 10 vezes maior".

 

Estas declarações não agradaram a Altice, que sublinha que "não aceitará que terceiros façam declarações ou insinuações difamatórias relativamente a si ou à sua relação com reguladores, independentemente da posição ou poder desses terceiros". "Responsabilizaremos, como é nosso dever, quem fizer afirmações relativamente à Altice que possam, ilegitimamente, afectar os nossos negócios e a nossa reputação", sustenta o grupo fundado por Patrick Drahi.

 

A dona da Meo vai mais longe e refere ainda que "sem prejuízo de a substância das declarações vir a ser objecto dos procedimentos legais adequados, é claro que as declarações do Engenheiro Paulo Azevedo são o culminar de uma campanha pública orquestrada contra a Meo, incluindo pressões indevidas sobre os reguladores".

 

"Esta campanha apenas serve o interesse dos concorrentes da Meo, os quais têm vastos recursos financeiros e estão presentes num número significativo de sectores económicos, procurando diminuir o procedimento regulatório em curso. É fundamental que tal campanha não impeça um procedimento regulatório justo e transparente", conclui a Altice.

Em declarações à Lusa, Paulo Azevedo criticou o presidente do regulador dos media, Carlos Magno, que ao contrário dos restantes dois elementos do conselho da ERC não vetou a operação. Como o parecer não reuniu consenso, avançou por deferimento tácito, tendo transitado para o pelouro da Autoridade da Concorrência.

"Acredito que esta não decisão carece de sustentação legal, mas sinto o dever de dizer bem alto que estamos a assistir a uma tentativa de deixar passar uma operação que provocará um grave e perigoso enfraquecimento da resiliência e qualidade da nossa sociedade", disse o presidente da Sonae, que detém o jornal Público e é uma das principais accionistas da Nos.

 

"A tentativa do senhor Carlos Magno de se aproveitar do momento de fraqueza institucional da ERC para, sozinho, contra o parecer dos serviços que tutela e dos demais colegas de administração, impedir o veto de uma operação com riscos '(...) não controláveis e gravemente lesivos do pluralismo e do direito dos cidadãos à informação , é escandalosa e extremamente grave", apontou.

 

O gestor considerou ainda que a concretização desta operação "criará as condições para que daqui a 10 anos possamos estar todos indignados com a descoberta de uma operação'Marquês 10 vezes maior".

(notícia actualizada às 12:33 com mais informação)




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
tp Há 4 semanas

Já se dizia que "ladrão que rouba a ladrão tem 100 anos de perdão." Por cá os ladrões de alto calibre são sempre perdoados.

Skizy Há 4 semanas

A altice é um buraco sem fundo. Tudo k tem é resultado de emprestimos. Tipo fortunas a berardo.

Anónimo Há 4 semanas

SABEM COMO O PAI DELE ARRANJOU A FORTUNA?
PERGUNTEM AOS PINTO DE MAGALHÃES HARDEIROS!

Anónimo Há 4 semanas

Tu e o teu pai são também dois grandes artistas, mas reconheço que a os assuntos da Altice sempre me cheiraram mal isto mesmo desde o tempo do grandiosos medalhado com a Grande Cruz da Ordem de Cristo Mohamed Zeinal e seus companheiros, por isso cessei todos os contratos que tinha com essa gente.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub