Media Altice/Media Capital: Nos diz que operação comporta "questões regulatórias significativas"

Altice/Media Capital: Nos diz que operação comporta "questões regulatórias significativas"

O presidente executivo da Nos, Miguel Almeida, manifestou-se cauteloso sobre a compra da Media Capital pelo grupo Altice e afirmou que esta operação "tem características únicas" e comporta "questões regulatórias significativas".
Altice/Media Capital: Nos diz que operação comporta "questões regulatórias significativas"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 21 de julho de 2017 às 18:17

Miguel Almeida respondia a questões colocadas pelos analistas, no âmbito de uma conferência telefónica sobre os resultados da operadora de telecomunicações no segundo trimestre.

 

Referindo que é preciso cautela sobre a operação, já que "a aquisição precisa da aprovação dos reguladores", acrescentou que "esta é uma operação única, tem características únicas". O gestor acrescentou que não houve "nada remotamente comparável a esta operação, nunca aconteceu na Europa em lugar nenhum".

 

O presidente executivo da Nos disse ainda que se deve esperar pelo parecer dos reguladores à operação, salientando que do ponto de vista da operadora de telecomunicações "há questões regulatórias significativas" a ter em conta.

 

No dia 14 de Julho, a Altice, que comprou a PT Portugal há dois anos, anunciou que chegou a acordo com a espanhola Prisa para a aquisição da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, numa operação que avalia a empresa em cerca de 440 milhões de euros.

 

O parecer da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) é vinculativo nesta operação.

 

Na quinta-feira, a Nos, que resultou da fusão entre a Zon e a Optimus, divulgou que o lucro no segundo trimestre deste ano subiu 52,2%, face a igual período de 2016, para 40,4 milhões de euros, "reflectindo o contributo positivo das empresas participadas.

 

As receitas de exploração avançaram 4,2% para 388,4 milhões de euros, com as receitas de telecomunicações a crescerem 3,1% [para 368,8 milhões de euros], motivadas pelo crescimento de 5,8% do número de serviços.

 

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou 5,4% para 156,7 milhões de euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub