Comércio American Apparel em falência. Outra vez

American Apparel em falência. Outra vez

Pouco mais de um ano depois de ter-se declarado falida, a retalhista norte-americana volta a declarar incapacidade de saldar as suas dívidas, nos EUA e Reino Unido.
American Apparel em falência. Outra vez
Bloomberg
Negócios 14 de Novembro de 2016 às 17:26

A retalhista de pronto a vestir norte-americana American Apparel apresentou o seu pedido de falência nos EUA, seu país de origem, noticiou esta segunda-feira, 14 de Novembro, a imprensa internacional.

O pedido é feito pouco mais de um ano depois da primeira declaração de falência da American Apparel, recordou o The Guardian e uma semana depois de entrar em administração judicial no Reino Unido. O jornal inglês adiantou ainda que em Fevereiro, a empresa tinha saído da situação de falência em Fevereiro de 2016, pelas mãos de um grupo liderado pelo fundo de investimento Monarch Alternative Capital.

A marca chegou a ter mais de 200 lojas nos EUA e no Reino Unido (um máximo de 18). No mercado britânico, contudo, as 13 lojas da marca norte-americana ainda operacionais entraram também sob administração judicial no passado dia 8 de Novembro.

O The Guardian adianta ainda que Dov Charney, fundador da marca American Apparel – direccionada sobretudo para o segmento mais jovem da sociedade norte-americana –, que perdeu o controlo da retalhista há cerca de dois anos, poderá agora abrir uma fábrica no Reino Unido ou em França.

A nova marca, ainda por baptizar, de Dov Charney, é actualmente fabricada em Los Angeles, empregando 50 pessoas. Charney garante que a sua marca funciona como "fabrico urbano de reacção rápida" para retalhistas online e para a indústria da música. "Se o Kanye West precisa de t-shirts, ele quere-as na sua loja" rápido, defendeu ao jornal, por oposição ao fornecimento "clássico" da maior parte dos retalhistas, que hoje se abastecem na Ásia.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub