Aviação ANA entregou ao Governo proposta para novo aeroporto do Montijo

ANA entregou ao Governo proposta para novo aeroporto do Montijo

A proposta da ANA para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa já foi entregue ao Governo e irá agora ser trabalhada nas suas várias dimensões com as diferentes entidades envolvidas.
A carregar o vídeo ...
Negócios com Lusa 13 de novembro de 2017 às 13:02
O presidente executivo da ANA - Aeroportos de Portugal, Carlos Lacerda, anunciou esta segunda-feira, na comemoração dos 75 anos do aeroporto de Lisboa, que a empresa já entregou uma proposta ao Governo "para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa através do aeroporto Humberto Delgado e de um novo aeroporto no Montijo", como estava previsto no memorando de entendimento assinado em Fevereiro.

Os próximos passos, frisou o responsável, "envolvem um trabalho de aprofundamento e detalhe das várias dimensões da proposta".

Para Carlos Lacerda, este "é só o primeiro passo do que sabemos que será um trabalho conjunto entre todas as entidades envolvidas, que continuará a correr com total empenho e com a atitude positiva que temos sentido até agora na solução, com vista aos objectivos da região e do país".

No caso do projecto para o Montijo, falta ainda concluir os estudos de impacto ambiental, o que deverá acontecer no início do próximo ano, tendo ainda de ser feita uma negociação do contrato com a ANA. O Governo tem referido no calendário para a tomada da decisão final relativamente à construção do aeroporto complementar o segundo semestre de 2018.

O futuro aeroporto complementar do Montijo irá duplicar a capacidade actual de Lisboa para 72 movimentos por hora e 50 milhões de passageiros por ano.

Segundo o memorando assinado em 15 de Fevereiro entre o Governo e a ANA, gerida pela Vinci Airports, a proposta para o aeroporto complementar ao de Lisboa na base aérea do Montijo devia ter sido apresentada até meados de Agosto.

Na sua intervenção, o presidente executivo da ANA enumerou ainda recordes que serão quebrados este ano nos aeroportos nacionais, como o ultrapassar a marca dos 50 milhões de passageiros.

O aeroporto de Lisboa prepara-se este ano para registar o melhor ano de sempre, com a estimativa de mais de 26 milhões de passageiros processados no final de 2017. Face a 2016, esta subida será superior em 4,5 milhões de passageiros. Só nos últimos quatro anos cresceu 7,2 milhões de passageiros.

 

Para fazer face ao aumento do tráfego, a ANA tem previstos mais investimentos no aeroporto Humberto Delgado, os quais everão estar disponíveis já no Verão IATA 2018. É o caso, diz a empresa, da duplicação de canais de embarque de todas as portas Schengen do Terminal 1 que ainda não possuem esta facilidade. Mas também da criação de duas novas portas de embarque Não Schengen, ou da instalação em curso de linhas automáticas no controlo de segurança, que permitirão aumentar o processamento de passageiros e a qualidade do serviço prestado. Dos investimentos previstos faz igualmente parte a renovação da zona de check-in.

 

Na cerimónia desta segunda-feira, Nicolas Notebaert, presidente da Vinci Airports, sublinhou que um novo aeroporto no Montijo é designadamente "a melhor solução para os passageiros e para as companhias aéreas", referindo ainda "é a solução que permite uma resposta atempada e minimização da perda de passageiros face à expectativa de crescimento de trafego aéreo, além de permitir estar concluído mais cedo, por prever uma infra-estrutura existe que pode ser usada".

É também, disse, "a solução menos exigente na necessidade de desenvolvimento adicional de acessibilidades".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar