Aviação ANA só entregou ao Estado informação técnica sobre Montijo

ANA só entregou ao Estado informação técnica sobre Montijo

A gestora aeroportuária devia ter apresentado até Agosto a proposta formal para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, mas Governo e ANA ainda trocam informação técnica. Decisão final do Executivo será tomada em 2018.
ANA só entregou ao Estado informação técnica sobre Montijo
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Babo 05 de setembro de 2017 às 19:16

A ANA – Aeroportos de Portugal ficou de apresentar ao Governo, até Agosto, uma proposta para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, segundo ficou previsto no memorando de entendimento assinado pelo Estado e a gestora aeroportuária em Fevereiro último. No entanto, Executivo e ANA têm estado ainda a trocar informação técnica relativamente ao projecto para o futuro aeroporto complementar do Montijo, não tendo a empresa detida pela francesa Vinci apresentado ainda uma proposta formal.

Ao Negócios, fonte oficial do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas disse que "o Governo e a concessionária encontram-se numa fase de troca de informação técnica, conforme determina o memorando". No quadro do estabelecido naquele documento, acrescenta, "a decisão final sobre a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa só deverá ser tomada em 2018".

Já a ANA confirmou também que, "no âmbito do processo de definição da solução de desenvolvimento da capacidade aeroportuária de Lisboa constante do memorando assinado com o Governo português, já apresentou ao concedente informação técnica sobre o projecto". De acordo com fonte oficial da gestora dos aeroportos nacionais, "mantêm-se os prazos para a tomada de decisão final por parte do Governo de Portugal".

No memorando de entendimento assinado a 15 de Fevereiro ficou previsto que a solução que a concessionária deverá desenvolver e apresentar ao Governo integra duas vertentes: a expansão da capacidade do aeroporto Humberto Delgado e a utilização da base aérea do Montijo. O custo do projecto, assim como o modelo de financiamento, farão parte da proposta formal que a concessionária deverá apresentar ao Estado.

Apesar de a data limite prevista não ter sido cumprida, o Governo mantém o calendário para a tomada da decisão final relativamente à construção do aeroporto complementar do Montijo para o segundo semestre de 2018. Isto porque o Executivo só irá decidir depois da avaliação de impacte ambiental ser concluída, o que se prevê aconteça entre Junho e Julho do próximo ano, tendo em conta que daí podem advir condicionantes que tenham impacto no valor do projecto. Até ao final de 2017, segundo foi anunciado, está prevista a conclusão do estudo sobre a eventual intereferência da avifauna na actividade aeronáutica.

O futuro aeroporto complementar do Montijo irá duplicar a capacidade actual de Lisboa para 72 movimentos por hora e 50 milhões de passageiros por ano.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Noutros países as coisas demoram meses aqui demoram anos. No entretanto é o caos na portela e dinheiro q se perde. Pq é q n avançam já com o impacto ambiental é preciso esperar por esta troca de "galhardetes". O aeroporto ja devia estar funcional no verão de 2018.

Antonio Há 2 semanas

Quando o Governo de um País é condicionado ou se deixa condicionar por empresas privadas, coitado desse País e dos seus habitantes.

ChinesShangai Há 2 semanas

what????? Alverca???? enfim, ou não conhecem Alverca ou então terem valorizar património na zona, Alverca está na mesma linha da Portela e só esse ponto retira Alverca de orbita, a operação seria comprometida e mesmo impossível de ser implementada, imaginem os aviões terem que esperar pela subida dos de Alverca e vice versa, e o terreno é muito limitada, não tendo sequer capacidade de expansão, esqueçam Alverca, a decisão está tomada vai ser no Montijo.

Insistir na escolha errada faz desconfiar ... Há 2 semanas

Além do q já foi dito, a escolha de Alverca, como complemento ao Aeroporto da Portela,
tornaria muito mais rápido, curto e linear o percurso dos passageiros para o centro de Lisboa.
MAIS UMA VANTAGEM EM RELAÇÃO À OPÇÃO MONTIJO
Será caso para dizer que insistir na escolha errada faz desconfiar ...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub