Aviação ANA também quer ser indemnizada pela falha de abastecimento em Lisboa

ANA também quer ser indemnizada pela falha de abastecimento em Lisboa

A gestora aeroportuária diz que os passageiros afectados pelo problema no abastecimento de aviões no aeroporto de Lisboa devem reclamar com as companhias aéreas.
ANA também quer ser indemnizada pela falha de abastecimento em Lisboa
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 24 de maio de 2017 às 13:05
O presidente executivo da ANA - Aeroportos de Portugal, Carlos Lacerda, afirmou esta quarta-feira, 24 de Maio, no Parlamento que a gestora aeroportuária foi "extremamente lesada" pelos problemas provocados pela falha no abastecimento a aeronaves que no passado dia 10 de Maio provocou atrasos a cancelamentos de centenas de voos em Lisboa, lembrando que também a imagem do país foi prejudicada.
 
"Companhias aéreas, passageiros e aeroporto têm de ser ressarcidos", disse o responsável, frisando que "também fomos [ANA] afectados e também queremos ser indemnizados".
 
"A responsabilidade de operação, manutenção e conservação das infraestruturas de combustíveis é do grupo operacional de combustíveis (GOC) - constituído pela Petrogal, BP, Repsol e OZ - não é da ANA", afirmou. 
 
"O contrato de abastecimento de combustíveis é entre companhias aéreas e uma destas empresas, não é com a ANA. O que aconteceu é que estas empresas não forneceram combustíveis", acrescentou.
 
"O que aconteceu é muito grave", disse Carlos Lacerda, lembrando que não está ainda identificada a causa do problema que impediu o abastecimento em Lisboa durante 12 horas.
 
O responsável disse ainda aos deputados que no dia 10 de Maio nem as companhias nem a ANA tiveram "informação fiável para dar aos passageiros porque não sabiam quando abastecimento ia ser retomado".
 
O CEO da ANA disse não ter ainda uma estimativa do impacto que o problema tenha causado, adiantando que a concessionária pediu as companhias aéreas estimativas de custos, que tem estado a receber, e que as peritagens dos seguros já foram efectuadas.

Carlos Lacerda sublinhou que no caso dos passageiros são as companhias aéreas que devem contactar já que é "com quem têm contratos de transporte". "Como as companhias serão ressarcidas, isso depois será entre as companhias e outras entidades".
 
O responsável disse ainda não conseguir quantificar quantas pessoas já reclamaram, explicando que essas queixas estão a chegar às companhias aéreas e ao regulador da aviação civil, tendo a ANA recebido "muito poucas" por "não ser um canal para a reclamação".

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
VLopes Há 4 semanas

Gosto.. mas afinal não era uma avaria??? por acaso num dia de greve que não foi comunicado??
eu n percebo nada disso mas eu vejo as bombas em camiões a puxarem o combustível do chão.. e que eu saiba o aeroporto tem vários camiões desses.. quando falaram em bomba eu fiquei a pensar.. sou mesmo burro n percebo nada de abastecimento dos aviões.. embora ter sido mecânico na forca aérea PT :).. e uma piada.. as pessoas q tiveram prejuízos e q deviam ser e bem recercidas...

Agora todos fogem com o rabinho a seringa :) e o giro e ainda nem saberem o q aconteceu :)

pub