Telecomunicações Anacom promete para breve conclusões sobre Fibroglobal

Anacom promete para breve conclusões sobre Fibroglobal

João Cadete de Matos, presidente da Anacom há pouco mais de um mês, prometeu para breve trecho as conclusões à análise à Fibroglobal, reclamada pela Nos e Vodafone.
Anacom promete para breve conclusões sobre Fibroglobal
Miguel Baltazar

O acesso à rede da Fibroglobal, que os operadores Nos e Vodafone reclamam não conseguirem, está a ser analisado pela Anacom. O novo presidente do regulador, João Cadete de Matos, prometeu para breve as conclusões sobre essa análise.


No debate do Estado da Nação, no Congresso das Comunicações de 2017, organizado pela APDC, Miguel Almeida, presidente da Nos, acusou a PT de secar o mercado, já que é a única que consegue ter acordo com a Fibroglobal para a rede rural desta operadora que cobre mais de 200 mil lares.


As acusações ao caso já tinham acontecido por parte dos operadores concorrentes da Meo.


João Cadete de Matos realçou que existem queixas sobre o assunto e que o objectivo da concorrência não foi, nesse caso, atingido.


"É uma situação que merece ser esclarecida. Está nas prioridades da Anacom", garantiu o regulador, dizendo que a questão tem várias abordagens. Uma das condições contratuais sobre preços, análise que está a ser feita e que vai ser apresentada ao Governo que é a entendida concessionária. 


Mas Cadete de Matos garantiu, por outro lado, haver também outro tema, o da concentração. O Público noticiou que a Fibroglobal tem ligações à Altice e isso mesmo tem sido referido pelos rivais da operadora francesa. A Anacom já comunicou à Autoridade da Concorrência, e "é um tema que deve ser de análise e esclarecido".


João Cadete de Matos não se comprometeu com timings mas a Anacom diz que fará isso em breve trecho.


Cláudia Goya, presidente da Meo, referiu apenas estar disponível para "trabalhar com regulador e ver o que seguirá".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub