Banca & Finanças Angola vai avaliar participação da Sonangol no capital do BCP

Angola vai avaliar participação da Sonangol no capital do BCP

O Presidente angolano, João Lourenço, ordenou uma avaliação às participações detidas pelo Estado ou empresas públicas em bancos nacionais e estrangeiros, incluindo o Millennium BCP, a realizar por um grupo de trabalho liderado pelo ministro das Finanças.
Angola vai avaliar participação da Sonangol no capital do BCP
Lusa 05 de janeiro de 2018 às 12:45

Para o efeito, conforme despacho presidencial de final de Dezembro a que a Lusa teve hoje acesso, o chefe de Estado criou um grupo de trabalho que tem 45 dias para, igualmente, efectuar um "diagnóstico de avaliação" às instituições financeiras bancárias públicas e para "definir uma metodologia para a reestruturação" das mesmas.

 

Este grupo de trabalho, liderado pelo ministro Archer Mangueira, vai igualmente "proceder à avaliação de todas as participações sociais detidas pelo Estado, empresas públicas ou empresas de domínio público em instituições financeiras bancárias nacionais e estrangeiras", determina o despacho.

 

O Estado angolano, através da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), detém participações em vários bancos nacionais e estrangeiros.

 

Em Portugal, a Sonangol detém uma posição de 14,87% do capital social do banco Millennium BCP, que representava, em 2016, uma perda potencial de 365,7 milhões de euros, face ao investimento inicial. Um valor que baixou de forma substancial no ano passado já que as acções do BCP valorizaram mais de 40% em 2017.

 

No relatório e contas de 2016 da Sonangol, então liderada pela empresária Isabel dos Santos, recorda-se que o investimento da petrolífera no banco português começou em 2007, então com 180 milhões de acções (que no final de 2015 chegaram a cerca de 10.530 milhões), inicialmente no valor de 525,6 milhões euros.

 

Dez anos depois, o saldo desse investimento representa um "justo valor", nas contas de 2016, de 150,4 milhões de euros, contra o saldo inicial de 516,1 milhões de euros nas contas do final de 2015, além de um peso na estrutura accionista que passou de 17,84% (2015), para 14,87%, devido ao aumento de capital realizado pelo Millennium BCP.

 

Em Dezembro de 2016, a então presidente do conselho de administração da Sonangol, Isabel dos Santos, confirmou que a petrolífera pediu um reforço da participação no capital do Millennium BCP, cujo maior accionista passou a ser o grupo chinês Fosun.

 

"A participação da Sonangol no banco Millennium BCP continuará e foi efectuado um pedido de reforço da participação da mesma", disse Isabel dos Santos, que foi exonerada do cargo na petrolífera a 15 de Novembro, pelo novo Presidente angolano, João Lourenço.

 

O grupo de trabalho agora criado integra ainda o secretário para os Assuntos Económicos do Presidente da República, a secretária de Estado para as Finanças e Tesouro, e um vice-governador Banco Nacional de Angola.

 

Nas reuniões deste grupo poderão ainda participar, como convidados e sem direito de voto, os presidentes da Comissão de Mercado de Capitais, da Bolsa de Dívida e Valores de Angola, da empresa estatal Recredit e dos bancos de Desenvolvimento de Angola (BDA), de Poupança e Crédito (BPC) e de Comércio e Indústria (BCI).

 

A sociedade pública angolana Recredit anunciou em agosto último que prevê alargar a compra de crédito malparado a mais quatro bancos comerciais, por 765 milhões de euros, depois de já ter acertado a aquisição com o estatal Banco de Poupança e Crédito (BPC).

 

Segundo informação prestada pelo presidente do conselho de administração da Recredit, Vicente Leitão, aquela sociedade está a negociar a aquisição do crédito malparado de cinco bancos comerciais angolanos, além do BPC também o BCI, Banco Angolano de Investimentos (BAI), Banco Keve e Banco de Negócios Internacional (BNI).

 

No entanto, o administrador afirma que a instituição não é um "banco mau", por não comprar activos para vender, mas sim para recuperá-los, em termos do interesse da economia nacional e não apenas do interesse financeiro.

 

"Não somos um banco mau. Não compramos para vender. Comprámos para transformar", afirmou na quarta-feira, em Luanda, Vicente Leitão.

 

A Lusa noticiou a 19 de Julho que Angola prevê a emissão de dívida pública em moeda nacional para financiar nova compra do crédito malparado na banca, elevando a factura da operação, desde Dezembro último, a cerca de 2.000 milhões de euros.

 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Eu bem avisei que o bcp iria duplicar o seu valor, e o bull market ainda não acabou, até 2019 o provável são subidas acentuadas com os sectores da banca a prevalecer sobre os ganhos da bolsa, querem outra dica?
Mantenham as posições até 0,35 e reabram em 0,30. Prevejo que chegue a 0,40 até ao verão, se o ano for bom pode ser que duplique novamente o valor, isto seria 0,60. E se nenhum cenário de crise/guerra se apresentar também pode ser que nos anos a vir chegue a 1€ por ação.

comentários mais recentes
Lusa Atenas Há 1 semana

O investimento total da Sanangol foi de cerca de 715 milhões o que face à atual capitalização bolsa recuperou e bem, estando apenas a perder cerca de 30 milhões de euros!

Lusa Atenas Há 1 semana

A capitalização bolsista do BCP é de 4499 milhões de euros! O grupo Sonangol é titular de 2.303.640.891 ações que ao preço de fecho de 0,2977€ dá o valor de 685.793.893,25€!
Afinal de quanto foi o investimento da Sanangol?
Vai alienar a participação?
Não me parece que o faça!

Vai ser o descalabro para o BCP Há 1 semana

Ouviram? O descalabro! Oiçam o que eu digo! Mas porque é que não ouvem o que eu digo? A cotação do BCP já está a cair? Não? Porra, ninguem me liga nenhuma.

A vida não está fácil para um ressabiado tolinho...

Anónimo Há 1 semana

Eu bem avisei que o bcp iria duplicar o seu valor, e o bull market ainda não acabou, até 2019 o provável são subidas acentuadas com os sectores da banca a prevalecer sobre os ganhos da bolsa, querem outra dica?
Mantenham as posições até 0,35 e reabram em 0,30. Prevejo que chegue a 0,40 até ao verão, se o ano for bom pode ser que duplique novamente o valor, isto seria 0,60. E se nenhum cenário de crise/guerra se apresentar também pode ser que nos anos a vir chegue a 1€ por ação.

ver mais comentários
pub