Energia Antiga Soares da Costa vende área de energia por "preço simbólico"

Antiga Soares da Costa vende área de energia por "preço simbólico"

No âmbito da reestruturação do passivo financeiro, a SDC Investimentos alienou as participações que tinha no sector da energia. Com a operação, o passivo bancário reduz-se em 6,8 milhões de euros.
Antiga Soares da Costa vende área de energia por "preço simbólico"
Paulo Duarte
Diogo Cavaleiro 21 de abril de 2017 às 21:27

A SDC Investimentos continua a emagrecer: agora, vendeu a sua participação que tem no sector da energia. O negócio, que foi feito por um "preço simbólico", serve para reduzir a dívida face aos bancos.

 

"A SDC Investimentos informa que a sua participada SDC Concessões chegou a acordo com Infraventus Renewables Trading para lhe alienar as participações por si detidas nas sociedades Soares da Costa Hidroenergia, S.A., Soares da Costa Hidroenergia 1T, Lda., Soares da Costa Hidroenergia 4T, Lda. e Soares da Costa Hidroenergia 8T, Lda., que actuam na área de energias renováveis", indica um comunicado da empresa presidida por António Castro Henriques à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

A operação de venda à empresa que tem sede em Lisboa e dois sócios portugueses – Afonso Proença e Maria Isabel Monteiro, de acordo com o Portal da Justiça – foi feita a um "preço simbólico mas, transferido o passivo financeiro, contribuindo em cerca de 6,8 milhões de euros para a redução do passivo bancário consolidado".

 

Apesar de o impacto ser positivo na diminuição das dívidas aos bancos, a "transacção terá um impacto negativo nos resultados consolidados do grupo estimado em cerca de 300 mil euros".

 

"A alienação insere-se na estratégia delineada e reiteradamente anunciada de reestruturação do passivo financeiro do grupo encabeçado pela SDC Investimentos", assinala ainda o comunicado da companhia que detém 33% da Soares da Costa Construções, cujo plano de recuperação (PER) foi aprovado apesar do chumbo da Caixa Geral de Depósitos. 

A empresa na qual o empresário Manuel Fino detém 58,85% tem reduzido estas exposições, sendo que a SDC Concessões também já se desfez de participações em concessões rodoviárias, conseguindo já, também com a negociação com os bancos credores, cortar no passivo consolidado na ordem dos 127,5 milhões de euros. A que se soma o valor conseguido com esta venda no sector energético. 

 

Só com a alienação das concessões é que poderá ser concretizado o lançamento da oferta pública de aquisição (OPA) da parte da gestão (António Castro Henriques e Gonçalo Andrade Santos). Essa OPA oferece 2,7 cêntimos por acção da SDC Investimentos. Esta sexta-feira, a cotada fechou a valer 2,1 cêntimos por título.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 2 dias

Simbolismo provocado por excedentarismo de dividas.Nem tudo e mau.Como dizia o agente funerario:nao quero que ninguem morra,mas quero que a vida me corra.

pub
pub
pub
pub