Empresas Antigo Cinema Mundial vai ser vendido e transformado em superfície comercial

Antigo Cinema Mundial vai ser vendido e transformado em superfície comercial

O edifício do antigo cinema Mundial, na Rua Martens Ferrão, na zona de Picoas, em Lisboa, vai ser vendido e o futuro proprietário pretende transformar o espaço numa superfície comercial, disse à agência Lusa um dos actuais donos.
Antigo Cinema Mundial vai ser vendido e transformado em superfície comercial
Bloomberg
Lusa 09 de março de 2017 às 09:48

"Está já em curso a venda do Cinema Mundial, que será transformado radicalmente, segundo nos foi informado, numa grande superfície comercial. O projecto cultural que tentámos desenvolver não conseguiu os apoios necessários e a venda tornou-se inevitável", adiantou o actor Paulo Matos, um dos sócios da empresa Mundial-Fest, actual proprietária do edifício.

 

Segundo Paulo Matos, que se escusou a revelar o nome o comprador, referindo apenas tratar-se de "uma grande empresa portuguesa na área dos investimentos imobiliários e comerciais", a escritura deverá realizar-se até ao final de Maio.

 

Em Outubro de 2015, Paulo Matos anunciou que o antigo Cinema Mundial, encerrado desde Março de 2004, iria reabrir no ano passado como centro cultural e empresarial. No entanto, "com muita pena", o projecto teve que ser abandonado porque não conseguiu reunir os apoios necessários.

 

Do tempo em que o edifício era um cinema ficaram três salas -- uma no piso da entrada e duas no -1, andar onde há ainda uma outra sala e um bar. No primeiro piso há uma varanda e uma 'mezzanine'. O edifício tem uma outra cave, no -2, onde funcionou uma discoteca.

 

Na altura do encerramento, a Lusomundo Audiovisuais, que detinha o espaço, alegou razões de segurança e a fraca afluência de público às três salas de exibição.

 

Em Janeiro de 2005, a sala reabriu com uma peça de teatro, tendo, desde então, acolhido esporadicamente espectáculos.

 

A Mundial-Fest adquiriu o edifício em 2015.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub