Automóvel António Costa: "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen"

António Costa: "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen"

Na celebração dos 25 anos da fábrica da Volkswagen, o primeiro-ministro sublinhou a importância da Autoeuropa para as exportações nacionais e elogiou o diálogo social existente na empresa que contribui para o seu sucesso.
António Costa: "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen"
Autoeuropa
André Cabrita-Mendes 09 de dezembro de 2016 às 17:28

O primeiro-ministro sublinhou a importância que a Autoeuropa tem para as exportações nacionais. No seu discurso durante a celebração dos 25 anos da fábrica da Volkswagen sublinhou também o diálogo social existente na empresa.

 

"Nesta empresa, que tem mais de 3.500 trabalhadores, são produzidos anualmente mais de 100 mil veículos, correspondentes no ano passado a 1.800 milhões de euros de vendas, e a 4% das exportações nacionais", disse António Costa esta sexta-feira, 9 de Dezembro, em Palmela.

 

"Estes números demonstram bem o peso e a importância que a Autoeuropa tem para o conjunto da economia portuguesa. Basta haver a descontinuidade da produção de um modelo da Autoeuropa e imediatamente os números das exportações nacionais têm uma redução imediata", afirmou.

 

O primeiro-ministro aproveitou também para sublinhar a boa relação existente entre Portugal e a Volkswagen. "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen. Aqueles que conhecem Portugal, a qualidade dos seus quadros, confiam em Portugal e investem em Portugal".  

 

António Costa também quis destacar o diálogo permanente entre trabalhadores e a administração da fábrica, que contribui para o sucesso da Autoeuropa. "O modelo de diálogo social introduzido tem sido uma das chaves de sucesso da empresa", afirmou.

 

"Ainda há pouco falei com o António Chora, que disse também que esta relação é essencial para podermos ter emprego de qualidade e uma empresa competitiva", disse o primeiro-ministro, referindo-se ao líder da comissão dos trabalhadores.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fernando Ferreira 09.12.2016

Como seria diferente o nosso País se tivesse mais 2 ou 3 Autoeuropa.

Anónimo 09.12.2016

Oxalá e, rezemos para isso, não venha a ter o mesmo futuro que outras grandes empresas, dessas paragens, como Lisnave, Setenave, CUF, PT, etc. etc. etc., então existentes, se submeteram ao destino traçado pelas famosas "AMPLAS LIBERDADES"

Anónimo 09.12.2016

Felizmente que nao e publica,caso contrario os armenios ja tinham mudado os canhoes as fechaduras.Esperemos que daqui a 25 anos os que ca estao possam ler estas mesmas palavras.

pub