Automóvel António Costa: "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen"

António Costa: "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen"

Na celebração dos 25 anos da fábrica da Volkswagen, o primeiro-ministro sublinhou a importância da Autoeuropa para as exportações nacionais e elogiou o diálogo social existente na empresa que contribui para o seu sucesso.
António Costa: "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen"
Autoeuropa
André Cabrita-Mendes 09 de Dezembro de 2016 às 17:28

O primeiro-ministro sublinhou a importância que a Autoeuropa tem para as exportações nacionais. No seu discurso durante a celebração dos 25 anos da fábrica da Volkswagen sublinhou também o diálogo social existente na empresa.

 

"Nesta empresa, que tem mais de 3.500 trabalhadores, são produzidos anualmente mais de 100 mil veículos, correspondentes no ano passado a 1.800 milhões de euros de vendas, e a 4% das exportações nacionais", disse António Costa esta sexta-feira, 9 de Dezembro, em Palmela.

 

"Estes números demonstram bem o peso e a importância que a Autoeuropa tem para o conjunto da economia portuguesa. Basta haver a descontinuidade da produção de um modelo da Autoeuropa e imediatamente os números das exportações nacionais têm uma redução imediata", afirmou.

 

O primeiro-ministro aproveitou também para sublinhar a boa relação existente entre Portugal e a Volkswagen. "A Autoeuropa é uma empresa querida de Portugal e Portugal continua a ser querido para a Volkswagen. Aqueles que conhecem Portugal, a qualidade dos seus quadros, confiam em Portugal e investem em Portugal".  

 

António Costa também quis destacar o diálogo permanente entre trabalhadores e a administração da fábrica, que contribui para o sucesso da Autoeuropa. "O modelo de diálogo social introduzido tem sido uma das chaves de sucesso da empresa", afirmou.

 

"Ainda há pouco falei com o António Chora, que disse também que esta relação é essencial para podermos ter emprego de qualidade e uma empresa competitiva", disse o primeiro-ministro, referindo-se ao líder da comissão dos trabalhadores.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fernando Ferreira Há 1 semana

Como seria diferente o nosso País se tivesse mais 2 ou 3 Autoeuropa.

Anónimo Há 1 semana

Oxalá e, rezemos para isso, não venha a ter o mesmo futuro que outras grandes empresas, dessas paragens, como Lisnave, Setenave, CUF, PT, etc. etc. etc., então existentes, se submeteram ao destino traçado pelas famosas "AMPLAS LIBERDADES"

Anónimo Há 1 semana

Felizmente que nao e publica,caso contrario os armenios ja tinham mudado os canhoes as fechaduras.Esperemos que daqui a 25 anos os que ca estao possam ler estas mesmas palavras.

pub