Web Summit António Costa: aproveitem o Web Summit para "dar a conhecer Portugal"

António Costa: aproveitem o Web Summit para "dar a conhecer Portugal"

Paddy Cosgrave recebeu um astrolábio de uma Lisboa que se quer afirmar como um "local de encontro". António Costa foi parado pelo tradutor automático, que incluiu um "porco" onde menos se esperava.
António Costa: aproveitem o Web Summit para "dar a conhecer Portugal"
Wilson Ledo 06 de novembro de 2017 às 20:50

O primeiro-ministro, António Costa, apelou esta segunda-feira, 6 de Novembro, para que a comunidade de empreendedores portugueses possa aproveitar o Web Summit como uma montra para o investimento no país.

 

"É um orgulho, como primeiro-ministro, ver o trabalho, a dinâmica, a inovação das start-ups portuguesas", afirmou António Costa, em português, durante a abertura da segunda edição em Lisboa deste fórum de empreendedorismo e inovação. Nesse momento, o tradutor automático no ecrã fez das suas: apareceu a palavra 'pork', porco em português, motivando o riso do auditório.

 

Para o político, o Web Summit põe Lisboa "no centro dos grandes debates e desafios mundiais". "Aquilo que quero pedir a todos é que aproveitem as oportunidades de se darem a conhecer, de darem a conhecer Portugal", afirmou.

 

António Costa começou a sua intervenção perguntando a origem dos participantes para, mais tarde, afirmar Lisboa como o "local natural para estes encontros". "Ficamos aqui à vossa espera, para quando quiserem voltar, como turistas, como investidores e, acima de tudo, como amigos", rematou.

 

Antes da abertura oficial, com milhares de papéis coloridos a cair do tecto, Fernando Medina, presidente da Cãmara Municipal de Lisboa, ofereceu a Paddy Cosgrave um astrolábio, depois de no ano passado ter entregue as chaves da cidade ao fundador do Web Summit.

 

O evento espera receber cerca de 60 mil pessoas até 9 de Novembro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Que grande fantochada deste governo falso e usurpador. Repúblicas das Bananas como a Grécia e Portugal não tem credibilidade nem autonomia económico-financeira porque não tem tido políticas que permitam a criação, captação e fixação do melhor e mais adequado talento e capital disponível nos mercados globais de talento e capital. Sem flexibilização dos mercados laborais e fortalecimento dos mercados de capitais portugueses, Portugal nunca vai participar nas revoluções industriais como actor principal, secundário ou mesmo figurante. Será eternamente o expectador que chega ao evento sempre perto do acto final e por isso fica sem perceber o pouco daquilo que viu.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Que grande fantochada deste governo falso e usurpador. Repúblicas das Bananas como a Grécia e Portugal não tem credibilidade nem autonomia económico-financeira porque não tem tido políticas que permitam a criação, captação e fixação do melhor e mais adequado talento e capital disponível nos mercados globais de talento e capital. Sem flexibilização dos mercados laborais e fortalecimento dos mercados de capitais portugueses, Portugal nunca vai participar nas revoluções industriais como actor principal, secundário ou mesmo figurante. Será eternamente o expectador que chega ao evento sempre perto do acto final e por isso fica sem perceber o pouco daquilo que viu.

pub