Banca & Finanças António Costa: "Contribuintes não terão de assegurar" solução de lesados do BES

António Costa: "Contribuintes não terão de assegurar" solução de lesados do BES

O primeiro-ministro afirmou que a solução para os investidores do antigo BES com papel comercial não passa por fundos públicos e defende que "não isenta de pagar quem tem obrigações de pagar". Não foram adiantados pormenores.
A carregar o vídeo ...

O primeiro-ministro não explicou como mas, na apresentação dos resultados do grupo de trabalho que procurou uma solução para o papel comercial vendido pelo BES, deixou claro que "os contribuintes não terão de assegurar, com o seu esforço, o financiamento" da solução para os clientes detentores destes títulos de dívida.
              

Na apresentação que teve lugar na residência oficial do primeiro-ministro, esta segunda-feira 19 de Dezembro, António Costa indicou que a solução desenhada pelo grupo de trabalho que juntou os reguladores e representantes dos "lesados" "não isenta de pagar quem tem obrigação de pagar", ainda que não tenha explicado como.

Sabe-se que a solução prevê a interposição de processos judiciais contra os responsáveis pela queda do BES e pela venda do papel comercial, da mesma forma que passa por reclamações junto das empresas falidas emitentes dos títulos de dívida.

"Permite a quem tem o direito a receber que possa antecipar o que tem direito a receber", disse ainda António Costa, mais uma vez sem dar pormenores. Lacerda Machado indicou que a recuperação, faseada, começará dentro de "um par de meses".

Na sua intervenção, António Costa elogiou a actuação do seu Governo na banca, nomeadamente por o "maior banco português [ter] processo de capitalização aprovado pelas instituições europeias" (CGD) e por se terem resolvido "os problemas contenciosos com instituições europeias em matéria de exposição da banca portuguesa a outros mercados" (BPI), o "investimento directo estrangeiro que assegura a devida capitalização" (BCP). "Temos por isso boas razoes para que os portugueses tenham confiança nas suas instituições financeiras e nos produtos financeiros que estão colocados no mercado".

O primeiro-ministro defendeu que esta solução resulta do ordenamento previsto na Constituição e na lei, referindo-se à arbitragem e mediação. O memorando de entendimento assinado em Março passado estimava uma solução em Maio, cuja apresentação pública teve lugar esta segunda-feira, 19 de Dezembro.

Contudo, muitos pormenores ficaram por especificar – tendo em conta que António Costa não respondeu a perguntas. A forma de financiamento da solução e que tipo de veículo será utilizado são dois exemplos. 


Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios Miguel Baltazar/Negócios




A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.12.2016


O BURACO ANUAL DA C.G.A CUSTA MAIS CARO… DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.

CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!


comentários mais recentes
Anónimo 21.12.2016

O Tosta tem uma árvore das patacas

00SEVEN 20.12.2016

"Estórias" do Costa para inglês ver e português engolir!
Quando a política interfere nos mercados dá sempre raia!
Quem perdeu, perdeu porque se tivessem ganho ficavam com o produto das taxas elevadas atribuídas a esses investimentos de risco elevado caladinhos que nem ratos!
E, para já, cria-se um precedente a que todos os investidores que perdem os seus investimentos terão os mesmos direitos no futuro.
Ou esta decisão é só tomada para comprar votos e subornar o eleitorado actual?

Jorge 20.12.2016

se nao é o Povo quem vai pagar, quem será ? é que convinha saber ?????

MENTE, para papalvos 19.12.2016

Como é possível que os contribuintes não paguem? Se não pagam agora, pagam depois. Vão roubar a quem para ressarcir "os lesados"? Os contribuintes só não pagavam se os activos do banco fossem suficientes para devolver a estes investidores o montante agora acordado, depois dos credores prioritários

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub