Automóvel António Costa espera que "seja possível restabelecer boa tradição" na Autoeuropa

António Costa espera que "seja possível restabelecer boa tradição" na Autoeuropa

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje esperar que seja possível "restabelecer a boa tradição" na Autoeuropa, uma "empresa modelo, onde o diálogo social sempre tem permitido ultrapassar problemas laborais".
António Costa espera que "seja possível restabelecer boa tradição" na Autoeuropa
Lusa
Lusa 15 de janeiro de 2018 às 14:46

"A esperança que nós temos, o incentivo que temos dado a todas as partes, é que na Autoeuropa seja possível restabelecer a boa tradição que tem sido, aliás, uma imagem de marca da própria Autoeuropa como uma empresa modelo onde o diálogo social sempre tem permitido ultrapassar problemas laborais e onde tem contribuído muito para a melhoria da competitividade da empresa e para a qualidade do trabalho e da situação laboral" desta, afirmou António Costa.

 

O primeiro-ministro falava aos jornalistas em Leiria, onde assistiu à conferência Mobinov, sobre a relevância e tendências de futuro da indústria automóvel.

 

À pergunta se os trabalhadores da fábrica automóvel sediada em Palmela, distrito de Setúbal, poderiam estar a dar uma má imagem do país para atrair um novo construtor, o chefe do executivo respondeu: "Não estou a falar de uma parte ou de outra, estou a dizer que no conjunto é essencial que uma empresa, que aliás afirmou como uma das suas principais imagens de marca a excelência do seu diálogo social, continue essa excelência de diálogo social e a produzir bons resultados, que têm sido bons para a empresa e para os trabalhadores".

 

Antes, António Costa realçou a importância do sector automóvel para o país, notando que tem "um peso muito grande nas exportações", sendo que a ambição que o país deve ter é fixar as empresas que existem, assim como "atrair novos construtores para Portugal".

 

"Para que isso aconteça é essencial que continuemos a ter uma imagem de excelência no exterior, na nossa capacidade científica, tecnológica, da qualidade única da nossa mão-de-obra, da qualidade das nossas empresas, da capacidade que temos de cumprir os prazos e as condições de produção de uma indústria que é muito exigente", adiantou.

 

A este propósito acrescentou: "No momento em que queremos atrair um novo construtor, ter problemas em alguns dos construtores que já temos, obviamente não seria uma boa solução".

 

Já na conferência, que encerrou, António Costa referiu que a "forma como centenas de empresas portuguesas que participam nesta fileira se envolvem e desempenham a sua actividade têm uma importância absolutamente crítica".

 

"Porque problemas em qualquer uma das construtoras ou uma má imagem criada por qualquer uma das empresas fornecedoras é o pior contributo que podemos dar para a ambição colectiva que temos de atrair um novo construtor", considerou.

 

A Mobinov -- Associação do Cluster Automóvel é uma iniciativa conjunta da Associação Automóvel de Portugal e da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel.

 

Depois da rejeição pelos trabalhadores de dois pré-acordos sobre os novos horários negociados previamente com os representantes da Comissão de Trabalhadores, a administração da Autoeuropa anunciou a imposição de um novo horário transitório, para vigorar no primeiro semestre de 2018, e a intenção de dialogar com a Comissão de Trabalhadores (CT) no que respeita ao horário de laboração contínua, que deverá ser implementado em agosto, depois do período de férias.

 

O novo horário transitório, que entra em vigor nos últimos dias deste mês, com 17 turnos semanais, prevê o pagamento dos sábados a 100%, equivalente ao pagamento como trabalho extraordinário, acrescidos de mais 25%, caso sejam cumpridos os objectivos de produção trimestrais.

 

Os trabalhadores da Autoeuropa aprovaram em Dezembro uma proposta para uma greve de dois dias, em 2 e 3 Fevereiro. A CT e a administração têm novas reuniões sobre os novos horários marcadas para esta semana.

 

 

António Costa defende "maior atenção" das políticas públicas para o sector automóvel

 

O primeiro-ministro reconheceu a necessidade de uma "maior atenção" das políticas públicas para o sector automóvel, pela capacidade de este gerar cadeia de valor, emprego qualificado e de contribuir para as exportações.

 

"O 'cluster' automóvel é fundamental para o futuro da economia portuguesa", pelo que "tem que ter a maior atenção por parte das políticas públicas", defendeu António Costa.

 

A este propósito, António Costa destacou a diversidade do sector pela "capacidade que tem de gerar emprego qualificado, de dinamizar o número de sectores económicos, de contribuir para o aumento das exportações e por ser um incentivo importante para o desenvolvimento da capacidade de inovação, desenvolvimento e conhecimento em Portugal".

 

Constatando que se trata de uma área que "carece de investimento", o governante defendeu que "a primeira política pública que é essencial casar com o sector" é a que se destina a "criar boas condições para o investimento".

 

Uma das condições "passa por manter uma boa estabilidade dos equilíbrios macroeconómicos, para que o conjunto das condições de financiamento possam continuar a melhorar" se venha a repercutir "nas condições de financiamento do conjunto da economia", sublinhou.

 

Para o chefe do executivo, a "mais-valia deste sector" é, em primeiro lugar, "a capacidade de gerar cadeia de valor e proceder à integração dessa cadeia", exemplificando com o "aumento da produção das componentes", que "tem sido mais significativo que os próprios números de veículos produzidos em Portugal".

 

O primeiro-ministro adiantou que esta realidade evidencia que esta indústria "não está só a produzir para os construtores que constroem em Portugal, mas está também crescentemente a produzir para construtores que estão fora", apontando os desafios.

 

"A automação e a robótica vão introduzir desafios importantes no mercado de trabalho. Seguramente que os novos paradigmas de mobilidade vão alterar e desafiar a forma como a indústria se organiza e não é por acaso que um grande construtor internacional veio abrir em Portugal um centro de desenvolvimento da fileira dos serviços", acrescentou António Costa.

 

O chefe do executivo afirmou que alguns dos "grandes desafios" são dirigidos "à produção de conhecimento, perante as exigências da pegada ecológica, à melhoria dos níveis de segurança e da conectividade" e apelam "ao esforço de investigação e desenvolvimento".

 

Estes desafios "não são para enfrentar com receio", mas para haver consciência deles "para superar esses desafios".

 

Revelando que Portugal tem que começar a olhar para 2030, António Costa afirmou que a estratégia já começou a ser discutida, defendendo um plano que assenta em dois "eixos fundamentais, a aposta na inovação e na qualificação dos recursos humanos".

 

Outras políticas públicas que destacou foram ao nível das infra-estruturas de Portugal, que precisam de ser "reforçadas" para o país "poder ser mais competitivo no mercado externo e mais coeso mercado interno".

 

Costa apontou, a este respeito, a "execução dos dois corredores ferroviários de ligação à Europa", o corredor que liga Aveiro a Vilar Formoso e o corredor sul, de Sines ao Caia.

 

António Costa destacou também a importância doutros troços ferroviários, como a ligação à Galiza, "tendo em conta a importância muito significativa desse corredor para alimentar a indústria automóvel aí sedeada", assim como a vertente portuária, "onde os investimentos, quer em Sines, quer em Leixões, quer em Lisboa são capitais para poder assegurar a boa internacionalização deste sector de actividade."

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Marita Bastos 16.01.2018

Confesso que até achei interessante a solução governativa encontrada pelo PS. Mas...confesso, igualmente, que estou FARTA, principalmente da actuação do PCP pós autárquicas!!!
O BE nas suas reivindicações ABSURDAS só pensa em VOTOS e muito ajuda as iniciativas GREVISTAS / ARRUACEIRAS PCP. FORA!!!

Bolchevique 15.01.2018

Pois é...o Costa acordou tarde para a situação da Autoeuropa...sujeita a que fiquem no desemprego mais de 3 mil trabalhadores da empresa, outros tantos de empresas fornecedoras e as exportaçoes e PIB em queda...é o que da os radicalismos de esquerda!

General Ciresp 15.01.2018

Tirada igualzinha aquela q ele desferiu contra o da EDP"HOSTIL".pensava eu que um governo nao permitia que ninguem vivesse a margem da lei,afinal...............

Anónimo 15.01.2018

Com a ajuda do Arménio Carlos, vai ser possível fechar mais uma fábrica automóvel. Mas não se preocupem porque que ele com o seu poder de persuasão, até vai conseguir convencer os alemães a fabricar cá os carros elétricos. O otimista irritante tem tudo sob controle.

Saber mais e Alertas
pub