Telecomunicações António Costa exige "cabal esclarecimento" sobre falhas no SIRESP

António Costa exige "cabal esclarecimento" sobre falhas no SIRESP

Depois da Autoridade Nacional de Protecção Civil ter assumido falhas no SIRESP, o primeiro-ministro exigiu à ministra Constança Urbano de Sousa esclarecimentos.
António Costa exige "cabal esclarecimento" sobre falhas no SIRESP
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 24 de junho de 2017 às 09:44

O primeiro-ministro exige "um cabal esclarecimento" sobre as falhas ocorridas na rede SIRESP, entre sábado e terça-feira, tendo já feito essa exigência à ministra da Administração Interna, em despacho assinado sexta-feira, 23 de Junho.

"Tendo em conta esta descrição, deve a ministra da Administração Interna providenciar junto da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna e da SIRESP, SA o cabal esclarecimento do sucedido", refere o despacho, disponibilizado pelo gabinete do primeiro-ministro, António Costa.


Este despacho surge na sequência da resposta da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) ao primeiro-ministro, assumindo as falhas na rede SIRESP, entre sábado e terça-feira, no teatro de operações de combate ao incêndio de Pedrógão Grande, mas alegando que foram supridas por "comunicações de redundância".

Segundo fonte do gabinete do primeiro-ministro, António Costa assinou este despacho logo que "actualizou a sua informação", após chegar ao seu gabinete, proveniente de Bruxelas.

O primeiro-ministro remete este despacho também para a Procuradora-Geral da República, alegando poder ser "relevante" para o inquérito em curso.

"Por poder ser elemento relevante para o inquérito em curso, à Procuradora-Geral da República, com conhecimento à ministra da Justiça", adianta o despacho.

O reconhecimento de falhas no sistema de comunicações durante as operações de combate aos incêndios de Pedrógão Grande, que causaram a morte de 64 pessoas, consta de uma resposta enviada pelo presidente da ANPC, Joaquim Leitão, ao primeiro-ministro, que na terça-feira o questionou sobre falhas na rede de comunicação SIRSP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) durante a operação de combate ao incêndio de Pedrógão Grande, distrito de Leiria.

"Poder-se-á inferir que, desde as 19:45 do dia 17 de Junho até ao dia 20 de Junho, se verificaram falhas na rede SIRESP no TO (Teatro de Operações). Por forma a minimizar as falhas da rede SIRESP, foram utilizadas as comunicações de redundância, nomeadamente, REPC - Rede Estratégica de Protecção Civil e ROB - Rede Operacional de Bombeiros, conforme se pode constatar na fita do tempo do sistema SADO (Sistema de Apoio à Decisão Operacional)", refere-se na carta enviada a António Costa e que está publicada no portal do Governo na Internet.

Dois grandes incêndios deflagraram no sábado na região Centro, provocando 64 mortos e mais de 200 feridos, tendo obrigado à mobilização de mais de dois milhares de operacionais.

Estes incêndios, que deflagraram nos concelhos de Pedrógão Grande e Góis, consumiram um total de cerca de 50 mil hectares de floresta [o equivalente a 50 mil campos de futebol] e obrigaram à evacuação de dezenas de aldeias.

O fogo que deflagrou em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, alastrou a Figueiró dos Vinhos e a Castanheira de Pera.

As chamas chegaram ainda aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra, mas o fogo foi dado como dominado na quarta-feira à tarde.

O incêndio que teve início no concelho de Góis, no distrito de Coimbra, atingiu também Arganil e Pampilhosa da Serra, sem fazer vítimas mortais. Ficou dominado na manhã de quinta-feira.

 




Saber mais e Alertas
pub