Turismo & Lazer António Trindade: "A economia colaborativa cresce e ninguém quase fala dela"

António Trindade: "A economia colaborativa cresce e ninguém quase fala dela"

O presidente dos hotéis Porto Bay fez referência à Airbnb e à forma se tem dado o crescimento dos anúncios de alojamento local nesta plataforma. Na mesma sessão onde a Madeira defendeu o seu objectivo de defender a "autenticidade" do destino.
António Trindade: "A economia colaborativa cresce e ninguém quase fala dela"
Wilson Ledo 10 de Dezembro de 2016 às 19:18

O presidente do grupo hoteleiro Porto Bay, António Trindade, defendeu este sábado, 10 de Dezembro, que a economia colaborativa no ramo do turismo está "a crescer" sem se notar o seu verdadeiro impacto.


"Esta economia colaborativa surge sem nós sentirmos", afirmou durante o 42º congresso da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) em Aveiro. O responsável deu o exemplo da Airbnb, plataforma que permite a divulgação de alojamento local.


António Trindade especificou que a Madeira, região onde surgiu a sua cadeia hoteleira, tem já quase cinco mil camas na modalidade de alojamento local "e ninguém quase fala dela".


Para o fundador dos hotéis Porto Bay, a definição da oferta tem de ser entendida e organizada à escala regional, de modo a responder melhor às exigências da procura.


António Trindade referiu ainda que o problema das acessibilidades "ouve-se nas regiões de um país de forma completamente diferente". No caso da Lisboa, a lotação do aeroporto Humberto Delgado é uma preocupação. Com capacidade para 34 milhões de passageiros, recebe já 23 milhões.


"Há quantos anos andamos a discutir esta questão", lamentou, lembrando as exigências da Força Aérea para a instalação de um terminal adicional no Montijo, destino a companhias "low cost" [de baixo custo] e conhecido como Portela+1.


Madeira e a "autenticidade" do destino


"Temos de nos afirmar pela autenticidade do destino", posicionou Eduardo Jesus, secretário Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, sobre a sua região.


Na sessão dedicada a "Portugal: Opções estratégicas e factores de competitividade", o político madeirense lembrou que a Madeira dispõe de oito milhões para a promoção do destino, focada em três pilares: montanha, mar e cultura.


"Não podemos artificializar de alguma maneira este destino", reforçou. A Madeira, classificada como destino preferido da APAVT, recebe cerca de um milhão de turistas por ano. Eduardo Jesus informou que o arquipélago não vai aumentar o número de camas porque "a prioridade está na requalificação da oferta" já existente, rumo à subida da qualidade e preços.


A Madeira é servida por cerca de 40 companhias aéreas, com 400 voos semanais para 17 países.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado matita42 Há 1 semana

E se se deixasse de eufemismnos engana tolos e dissesse simplesmente que o turismo tem sido uma das grandes alavancas do país, não seria mais claro?.

comentários mais recentes
matita42 Há 1 semana

E se se deixasse de eufemismnos engana tolos e dissesse simplesmente que o turismo tem sido uma das grandes alavancas do país, não seria mais claro?.

pub
pub
pub
pub