Transportes ANTRAL demarca-se de "ameaças e violência" em protesto dos taxistas em Lisboa

ANTRAL demarca-se de "ameaças e violência" em protesto dos taxistas em Lisboa

A Associação Nacional dos Transportadores em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) demarcou-se hoje de eventuais "situações de ameaças e violência" na manifestação de segunda-feira, em Lisboa, contra as plataformas electrónicas de mobilidade.
ANTRAL demarca-se de "ameaças e violência" em protesto dos taxistas em Lisboa
Lusa 07 de Outubro de 2016 às 17:51

"A ANTRAL rejeita todo o tipo de violência e apela para que a manifestação do dia 10 de Outubro seja pacífica, ordeira [e] que sirva para mostrar os nossos pontos de vista contra a ilegalidade", afirmou, em comunicado, o presidente da associação, Florêncio de Almeida.

 

O responsável acrescentou ainda que a associação se demarca e condena "todas as notícias que envolvam situações de ameaças e violência" durante a acção de protesto.

 

A posição da ANTRAL surge após os representantes do sector do táxi terem acusado hoje a PSP de querer "partir a manifestação" de segunda-feira, em Lisboa, ao impor condições relativamente aos taxistas oriundos do norte e do sul do país.

 

"A PSP está a levantar problemas que não fazem sentido. Nós discordamos e mantemos o mesmo itinerário. Declinamos qualquer responsabilidade do que venha a acontecer", afirmou hoje o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, após uma reunião com a PSP no Comando Metropolitano de Lisboa, em Moscavide (Loures).

 

Segundo Florêncio de Almeida, que falou também após o encontro, os taxistas pretendem que os carros provenientes do norte se dirijam à Rotunda do Relógio, em Lisboa, para depois se juntarem no Parque das Nações, mas a polícia "quer desviá-los em Santa Iria da Azóia [no vizinho concelho de Loures] para o IC [Itinerário Complementar] 2".

 

Em relação às viaturas oriundas do sul, acrescentou, as associações definiram uma saída conjunta, com batedores, mas a PSP quer antes que se desloquem em "pequenos grupos de 10 ou 15 viaturas".

 

Segundo o comissário Sérgio Soares, do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, as alterações propostas aos taxistas pretendem apenas facilitar a chegada de viaturas ao local do protesto, que parte do Parque das Nações, em Lisboa, e termina em frente à Assembleia da República.

 

Em relação às viaturas com origem do sul do país, o responsável da PSP acrescentou que os condicionamentos são justificados com questões de segurança na Ponte 25 de Abril.

 

Os taxistas aceitaram a indicação policial de, na Baixa de Lisboa, vindos da Rua do Ouro, não passarem na Rua do Arsenal, actualmente em obras, e irem ao Campo das Cebolas para se dirigirem ao Cais do Sodré, rumo à Assembleia da República, em S. Bento."

 

"Nós queremos a evolução do sector. Agora o que nós queremos são regras e lealdade no sector. Paz social nos transportes ocasionais de passageiros nunca irá existir se o Governo for com este projecto para a frente", alertou Florêncio Almeida, referindo-se à proposta governamental de regulamentação que está em cima da mesa.

 

O presidente da ANTRAL ressalvou ainda que "os taxistas não estão contra as plataformas 'online' de transportes de passageiros, mas exigem "regras iguais para todos".

 

O protesto nacional inicia-se às 07:00 com uma concentração no Parque das Nações, seguindo depois, pelas 08:30, com as viaturas em desfile até à Assembleia da República.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


Não sei o que a Uber traz de novo. Há lustres que se chamam táxis pelo telefone. Mas é chic, agrada às elites provincianas. As pessoas-se sentem-se participantes da modernidade, mesmo que se trate apenas de umas miçangas para indígenas.

Anónimo Há 4 semanas

A propalada regulação do mercado está toda errada. Nem mais nem menos. Saber se o SMN estão em dia... Depois a concorrência é da arte de quem concorre do lado da oferta e da procura. Esse é que é o problema.

José Há 4 semanas

O que os reguladores têm de fazer é exigir efetiva igualdade a todos os atores concorrentes. Folha de salários para se saber quanto ganha por mês cada motorista e quanto paga à segurança social e Estado. Saber se as 8 horas de trabalho são respeitadas e se os seguros obrigatórios estão em dia...

José Há 4 semanas

... Sabe-se que onde isso foi imposto a UBER saiu. Sem precariedade e fuga às responsabilidades sociais e fiscais a UBER não está interessada. A procura é pequena e dá muito mal para quem está legalmente no mercado. Esse é o problema. O resto são devaneios sectários de quem dá tudo por verborreia.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub