Transportes ANTRAL mantém protesto de táxis para 2.ª feira junto à Presidência, Federação cancela

ANTRAL mantém protesto de táxis para 2.ª feira junto à Presidência, Federação cancela

O presidente ANTRAL, Florêncio Almeida, disse hoje que o protesto de taxistas de segunda-feira se mantém, depois de a Federação Nacional de Táxis ter dito que o protesto foi cancelado.
ANTRAL mantém protesto de táxis para 2.ª feira junto à Presidência, Federação cancela
Bruno Simão
Lusa 13 de Outubro de 2016 às 00:02
Em declarações por telefone à Lusa, Florêncio Almeida manteve o anúncio feito segunda-feira passada durante a manifestação de taxistas na rotunda do Relógio, em Lisboa, de um novo protesto contra as novas regras para as plataformas Uber e Cabify na próxima segunda-feira na Presidência da República, bem como concentrações em frente às câmaras do Porto e de Faro.

"Vamos reunir amanhã às 10:30. Sabemos que o Presidente da República não vai estar em Portugal na segunda-feira", disse Florêncio Almeida, salientando que querem reunir-se com Marcelo Rebelo de Sousa.

Hoje à RTP, um representante da Federação Portuguesa do Táxi, Rudolfo Melo, disse que a decisão foi "tomada a quente" e que "entretanto chegou-se à conclusão" que era melhor os dois dirigentes, da Associação Nacional de Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros e da Federação Portuguesa do Táxi, se deslocarem à Presidência para se reunirem com os assessores de Marcelo Rebelo de Sousa.

A Lusa tentou contactar, sem sucesso, o presidente da Federação Portuguesa do Táxi.

O protesto dos taxistas, que começou na segunda-feira no Parque das Nações ao início da manhã, deveria ter seguido naquele dia até à Assembleia da República, mas não avançou além da Rotunda do Relógio, onde ocorreram confrontos com a polícia, tendo os manifestantes bloqueado a zona do aeroporto de Lisboa durante mais de 15 horas.

O protesto dos taxistas esteve relacionado com as novas regras para as plataformas electrónicas como a Uber e a Cabify. Os taxistas exigem que o número de veículos afectos àquelas plataformas seja limitado, à semelhança do que acontece com os táxis.

Após terem assistido, num palanque improvisado na rotunda do Relógio, ao programa Prós e Contras, da RTP, onde o assunto foi debatido com um membro do Governo e representantes das associações envolvidas, os taxistas foram aconselhados pela PSP a desmobilizarem o protesto, sob pena de verem as viaturas a serem bloqueadas e rebocadas e de terem de comparecer em tribunal.

Nessa altura, decidiram desmobilizar e marcar um novo protesto para segunda-feira da próxima semana junto ao Palácio de Belém e às câmaras do Porto e de Faro.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Univ Há 2 semanas

Afinal os taxis também já têm uma App de nível mundial, igual à da uber e 100% portuguesa. Segundo os engenheiros portugueses, a mesma tem mais funcionalidades e conta também com direito a avaliação (5 Estrelas) e comentários no final de cada corrida ( www.taxi-link.com ).

Anónimo Há 2 semanas


PCP . BE . PS entregam o sector dos táxis ao grande capital estrangeiro (DE BORLA).

Viva o capitalismo de esquerda (UBER, Cabify, …)


(O CDS não faria melhor)

pub
pub
pub
pub