Comércio APED assegura que supers e hipers estão a funcionar normalmente

APED assegura que supers e hipers estão a funcionar normalmente

A associação que representa os grupos de distribuição garante que a greve não está a afectar o normal funcionamento das lojas.
APED assegura que supers e hipers estão a funcionar normalmente
Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 23 de dezembro de 2017 às 10:44
A APED (Asssociação Portuguesa de Empresas de Distribuição) diz que a greve nos hipers e supermercados, que foi convocada para os dias 23 e 24 de Dezembro, não está a afectar o normal funcionamento das lojas.

Em comunicado, a associação garante que a greve "regista um impacto residual e não está a afectar o normal funcionamento das lojas de retalho alimentar e não alimentar que fazem parte da rede dos associados da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição", garantindo estarem "asseguradas todas as condições para que os consumidores portugueses possam aceder a todos os serviços habitualmente prestados nesta época natalícia".

A greve marcada para dois dias pelos sindicatos afectos à CGTP tem como objectivo pressionar a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) a evoluir na negociação do Contrato Colectivo do sector para que se concretizem aumentos salariais, alterações de carreira e regulamentação dos horários de trabalho.

À Lusa, Isabel Camarinha, presidente da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores do Comércio, disse acreditar que a paralisação deverá ter "uma forte adesão, tendo em conta o descontentamento dos trabalhadores pelo arrastamento da negociação do Contrato Colectivo", ainda que admita que "isso não quer dizer que as lojas encerrem, porque a maioria consegue manter-se aberta com muito poucos trabalhadores".

 A APED, no comunicado, faz o apelo ao diálogo, dizendo ter o "compromisso em manter um clima de equilíbrio social no sector da distribuição".

Os associados da APED, que integram empresas como a Lidl, Minipreço, Pingo Doce, Jumbo, Intermarché e Continente, empregam cerca de 111 mil pessoas.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub