Obrigações Apple planeia colocar até 8 mil milhões de dólares em obrigações

Apple planeia colocar até 8 mil milhões de dólares em obrigações

Após seis meses a tecnológica norte-americana deverá regressar ao mercado obrigacionista para garantir entre 6 e 8 mil milhões de dólares.
Apple planeia colocar até 8 mil milhões de dólares em obrigações
Negócios 02 de fevereiro de 2017 às 18:19

O Financial Times avança esta quinta-feira, 2 de Fevereiro, que a Apple planeia colocar entre 6 e 8 mil milhões de dólares (5,5 a 7,4 mil milhões de euros) em obrigações, citando dois investidores e um banqueiro envolvidos na operação.

 

Esta decisão da fabricante do iPhone e do iPad surge depois de a tecnológica ter reportado a recuperação do crescimento das receitas no último trimestre de 2016.

 

O FT escreve ainda que os fundos que vierem a ser amealhados serão canalizados para fins corporativos da empresa, incluindo a recompra de acções próprias e o pagamento de dividendos.

 

A Apple, liderada por Tim Cook (na foto), dispõe de 246 mil milhões de dólares na sua folha de balanço e regressa aos mercados de dívida para financiar a recompra de acções numa altura em que mais de 90% do seu capital é detido por subsidiárias estrangeiras.

 

No horizonte desta emissão de dívida está o objectivo da Apple evitar o pagamento de impostos quando quiser repatriar verbas para os Estados Unidos, isto numa altura em que a nova administração norte-americana promete combater a deslocalização de grandes empresas americanas.

As acções da Apple caem 0,43% para 128,2 dólares em Nova Iorque. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub