Tecnologias Apple quer alargar negócio à área da saúde

Apple quer alargar negócio à área da saúde

Desde 2013 que a tecnológica está em conversações com o regulador de medicamentos e alimentos norte-americano. Em cima da mesa estão soluções para a monitorização cardíaca e para a doença de Parkinson.
Apple quer alargar negócio à área da saúde
Bloomberg
Negócios 01 de Dezembro de 2016 às 16:53

A Apple quer expandir a sua actividade à área da saúde. Nos últimos tempos, a dona do iPhone tem lançado algumas aplicações para os seus dispositivos móveis nesta área. Mas tendo em conta as reuniões que tem mantido com a Administração de Medicamentos e Alimentos norte-americana (FDA na sigla em inglês) as ambições da tecnológica vão mais longe.

As reuniões secretas de responsáveis da Apple com o FDA foram tornadas públicas pelo site Mobi Health News que teve acesso a uma troca de emails entre a tecnológica e o órgão regulador norte-americano. E o facto de nos últimos três anos ter reunido com o FDA revela que as intenções da Apple passam por lançar produtos que exigem o aval do regulador da área da saúde.

Os emails citados pelo site norte-americano revelam várias conversas em torno de soluções para a monitorização cardíaca e para a doença de Parkinson.

No que toca à arritmia cardíaca, a troca de emails não revela detalhes sobre as soluções que a Apple tem em cima da mesa. Para a doença de Parkinson o que estará a ser desenvolvido, segundo a imprensa norte-americana, é uma aplicação que permite diagnosticar a doença. Uma solução que para ser lançada necessita de aprovação do regulador.

A ambição da Apple em entrar na área da saúde já foi destaca algumas vezes por Tim Cook, presidente executivo da empresa de Cupertino. Em Maio o responsável revelou que a Apple "acredita que a saúde é um problema a nível mundial. Achamos que está madura para avançar com uma nova visão mais simplificada e gostaríamos de contribuir para isso", revelou Tim Cook.

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub