Start-ups Aptoide: App store lusa cresce e mercados emergentes já representam 60% dos utilizadores

Aptoide: App store lusa cresce e mercados emergentes já representam 60% dos utilizadores

A loja portuguesa de aplicações, a Aptoide, conta já com 200 milhões de utilizadores, 120 milhões dos quais são oriundos de países emergentes. A start-up tem estado a apostar “em produtos específicos” para estes mercados, como é o caso do Brasil e México.
Aptoide: App store lusa cresce e mercados emergentes já representam 60% dos utilizadores
Miguel Baltazar
Ana Laranjeiro 20 de novembro de 2017 às 11:33

A Aptoide, uma loja portuguesa de aplicações, conta já com 200 milhões de utilizadores, sendo que 60% deste número é oriundo dos mercados emergentes – ou seja 120 milhões de utilizadores.

Em comunicado, a start-up realça que para sustentar o crescimento em mercados como o Brasil, México e sudeste asiático "tem vindo a apostar em produtos específicos para os mercados emergentes". "No México e no Brasil, o conteúdo das lojas online foi traduzido para os idiomas locais, com escolhas de temas baseados na cultura e nos interesses locais, desenvolvendo também uma página específica para cada país".

O maior número de utilizadores da loja portuguesa de aplicações está localizado no Brasil. Mas a língua mais utilizada na plataforma é o castelhano. "De facto, os mercados emergentes têm sido o pilar de crescimento da tecnológica portuguesa, permitindo que a Aptoide se tornasse uma das maiores app store Android do mundo competindo com players como a Google Play", sublinha Paulo Trezentos, co-fundador e CEO da Aptoide.

O responsável acrescenta que "o nosso objectivo é providenciar a melhor experiência no que toca à descoberta de apps e, para isso, estamos atentos aos nossos utilizadores e ao que os move". "Adaptar a nossa estratégia tem-nos permitido falar a sua linguagem e dar, aos utilizadores em qualquer parte do mundo, um ambiente personalizado focado na descoberta de aplicações".

Em Outubro do ano passado, em entrevista ao Negócios, Álvaro Pinto (na foto), co-fundador e COO da Aptoide, admitia que a empresa tinha "uma base de utilizadores na América Latina muito forte". "O primeiro mercado da América Latina, e que continua a ser um dos mais fortes, foi o México. O brasileiro, actualmente, é um mercado muito importante porque é o nosso maior. Além disso, é um mercado que continua a expandir-se a uma velocidade muito considerável".

 

Álvaro Pinto explicava ainda que a Aptoide distinguia-se das outras lojas de aplicações por ser uma "plataforma de distribuição mais centrada na comunidade".

"A Google quando criou o Play Store, criou um modelo de loja muito centralizado, controlado pela Google. O nosso modelo aproxima-se mais, se quiser uma comparação, do Youtube. O Youtube é uma plataforma de distribuição de conteúdo de vídeo mas com base numa comunidade. São os utilizadores que criam os seus canais e fazem 'upload' de vídeo e distribuição. O nosso modelo é muito semelhante. Não temos uma loja centralizada, temos múltiplas lojas que são criadas pelos utilizadores. É um modelo mais comunitário, menos centralizado como é o Play Store. Isso é uma diferença fundamental. Vai permitir que os fabricantes ou outras pessoas da indústria criem a sua loja, gerando negócio à volta das aplicações, o que não é possível numa loja centralizada", dizia na altura.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub