Tecnologias "Aranhas" treinadas para construir uma cidade na lua

"Aranhas" treinadas para construir uma cidade na lua

A Siemens está a desenvolver robôs que parecem ser aranhas, estão a ser desenvolvidos e poderão vir a ser enviados para a lua ou para cenários de tempestade nuclear e reportar o que se passa.
"Aranhas" treinadas para construir uma cidade na lua
Siemens
Negócios 28 de Novembro de 2016 às 14:00

Não se tratam de aranhas verdadeiras, mas de robôs desenvolvidos pela Siemens, que se assemelham a aranhas. De acordo com a Bloomberg, estas aranhas estão dotadas com impressoras 3D, por isso, quando chegarem à lua podem construir uma cidade. Mas não só. Estes robôs poderão ser usados num cenário nuclear e reportar o que se passa.

Estes robôs foram construídos como o intuito de serem capazes de rastejar numa superfície e também fazer construções. Analisando o que uma aranha faz naturalmente, andando para cima e para baixo, a tecnológica percebeu que podia servir de inspiração.


Apesar de no vídeo da Bloomberg se poder ver esta aranha a movimentar-se e desempenhar algumas tarefas, até que esta aranha veja a luz do dia ainda há um longo caminho a percorrer. Livio Dalloro, que lidera the Product Design, Modeling and Simulation Research group, disse à Bloomberg que pretendiam sobretudo "criar uma prova de conceito".


Em fase ainda de desenvolvimento, é possível imaginar mais funções para esta aranha. "Imaginem um robô como este, mas em vez de ser tão pequeno e funcionar com plástico, imagine que pode ser cinco ou dez vezes maior e talvez possa constuir em cimento", em vez de apenas usar impressoras 3D, acrescentou Dalloro.

O responsável acrescentou ainda que o "objectivo destes robôs não é substituir humanos". "O principal objectivo é sempre o mesmo: tornar a nossa vida melhor".


 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub