Agricultura e Pescas Área de milho transgénico em Portugal baixa 12% em 2016

Área de milho transgénico em Portugal baixa 12% em 2016

A área de cultivo de milho geneticamente modificado, em Portugal, diminuiu, este ano, cerca de 12%, face a 2015, indica o Relatório do Estado do Ambiente 2016, divulgado esta quarta-feira.
Área de milho transgénico em Portugal baixa 12% em 2016
Bloomberg
Lusa 28 de Dezembro de 2016 às 18:58

De acordo com o documento, citado pela Lusa, a área nacional de produção de milho transgénico rondou, este ano, 7.056,75 hectares, enquanto, em 2015, atingiu 8.000 hectares.

O documento, que apresenta dados provisórios para 2016, é da responsabilidade da Agência Portuguesa do Ambiente, que o publicou no seu portal esta quarta-feira, 28 de Dezembro.

O relatório assinala que a área cultivada com milho geneticamente modificado tem aumentado desde 2005 (ano em que estava ligeiramente abaixo dos 1.000 hectares) e se mantido "relativamente estável" desde 2011 (na ordem dos 8.000 hectares).

Numa década, em Portugal, 2012 foi o ano com maior área de cultivo de milho transgénico, superando os 9.000 hectares.

Em Portugal continental, a região do Alentejo continuou a ter, em 2016, a maior área de cultivo, com 3.345,9 hectares, seguindo-se Lisboa e Vale do Tejo e Centro, com 2.124,9 e 1.485,5 hectares, respectivamente.

O ano passado, em que houve igualmente uma quebra na área de produção de milho transgénico em Portugal, registou uma diminuição de 4%, para 8.017 hectares, comparativamente a 2014.

O milho (MON810), da multinacional Monsanto (que se encontra em processo de fusão com a alemã Bayer) é, na União Europeia, o único organismo geneticamente modificado que é autorizado para cultivo, sendo plantado em Portugal, Espanha, República Checa, Roménia e Eslováquia.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Nao e milagre,todavia de bradar aos ceus:o lavrador sempre se preocupou mais com a saude dele do que a do consumidor.Nao ha ave nenhuma que lhe toque(ate os passarinhos tem paladar)e eles sao o inimigo numero um do lavrador.Falta saber a razao para o sucedido.Secalhar ate sei.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub