Start-ups Arranca programa de aceleração europeu “Data Pitch”

Arranca programa de aceleração europeu “Data Pitch”

O programa de aceleração “Data Pitch”, que vai ser coordenado pela Beta-i, arranca esta sexta-feira e é financiado pela Comissão Europeia.
Arranca programa de aceleração europeu “Data Pitch”
Bruno Simão
Ana Laranjeiro 02 de fevereiro de 2018 às 13:26

A área de actuação pode ser vasta: desde o retalho, à reparação de automóveis, passado pelo turismo e pelo tratamento da infertilidade. O ponto que todas têm em comum é o tratamento de dados. É este o pressuposto do programa de aceleração "Data Pitch", coordenado pela Beta-i, liderada por Pedro Rocha Vieira (na foto), em conjunto com a Universidade de Southampton, o Open Data Institute e a plataforma francesa de dados Dawex, e que arranca oficialmente hoje.

"A iniciativa, cuja fase operacional arranca oficialmente hoje, será fundada pelo programa de pesquisa e inovação Horizonte 2020, da União Europeia, e cada startup ficará no programa por seis meses", refere o comunicado enviado às redacções.

Vão estar presentes neste programa 18 start-ups, oriundas de vários países europeus – incluindo uma portuguesa - que operam nomeadamente nas áreas já mencionadas. Cada uma destas empresas vai receber um financiamento de 100 mil euros, a fundo perdido o que significa que não vão ter de entregar capital em troca do investimento. Além do apoio financeiro, as start-ups vão contar ainda com a mentoria de especialistas, oportunidades de investimento, bem como acesso a dados gerados por várias grandes empresas, e pelo sector público, refere o comunicado.

"Cada start-up vai dedicar-se a resolver um desafio específico, em sectores que incluem o transporte, turismo, fabricação, saúde e retalho. Cinco destes desafios foram propostos por algumas das mais relevantes empresas da Europa, incluindo o operador ferroviário alemão Deutsche Bahn, ou o gigante do retalho português Sonae", acrescenta ainda o documento.

Elena Simperl, Professora da Universidade de Southampton e Directora de Projecto do Data Pitch, em comunicado, afirma que "com o ‘Data Pitch’ vamos recorrer a um modelo já testado de inovação aberta e aplica-lo a uma escala europeia, associando algumas das mentes empresariais mais criativas da Europa, enquanto os ajudamos a resolver desafios concretos que tenham impacto na economia, ambiente, ciência, e que sejam relevantes para a sociedade em geral".

Ricardo Marvão, co-fundador e Chief Education Officer da Beta-i, diz que "este acelerador Europeu congrega um vasto e diverso lote de indústrias, muito importantes para uma organização como a Beta-i, e nós vemos esta oportunidade como uma hipótese para recorrer à nossa experiência, enquanto expandimos o nosso know-how e metodologias".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar