Transportes As multas nos transportes vão mudar

As multas nos transportes vão mudar

Depois de o Governo ter atribuído a cobrança das multas nos transportes ao Fisco, em 2014, os índices de fraude aumentaram, diz o Governo. Para os reduzir, volta o desconto pelo pagamento voluntário.
As multas nos transportes vão mudar
Bruno Simões 13 de junho de 2017 às 19:45

Pagamento voluntário dá desconto de 50%

O regime sancionatório aplicável às transgressões ocorridas em matéria de transportes colectivos de passageiros, de 2006, previa que as multas pudessem ser pagas de forma voluntária, na hora em que era detectada a infracção ou nos cinco dias seguintes, com um desconto de 20%. Em 2014, o Executivo acabou com esse pagamento voluntário e as multas por cobrar têm vindo a acumular-se. O actual Governo quer recuperar este pagamento voluntário e torná-lo mais vantajoso, com um desconto de 50%.

 

 

Valores mínimos e máximos reduzidos

Actualmente, o valor das multas oscila entre 100 e 150 vezes o "montante em vigor para o bilhete de menor valor", e inclui não só autocarros, metro ou transportes fluviais como viagens de comboio. Ou seja, no caso do metro de Lisboa e da Carris, o bilhete de menor valor custa 1,45 euros, pelo que o valor mínimo da multa será de 145 euros e o máximo de 217,50 euros. No caso de uma viagem de comboio Lisboa-Porto, o valor máximo da multa é de 25 vezes o valor do bilhete, ou seja, 757,50 euros. A proposta do Governo estabelece que os valores oscilem entre 120 e 300 euros no caso de deslocações urbanas e entre 250 e 500 euros para comboios de longo curso.

 

Validação de passes com desconto de 25%

As empresas de transportes públicos multam quem se esquece de validar os passes. A CP começou a fazê-lo em 2015, por exemplo. Mas essa infracção é considerada leve pelo Governo, que quer reduzir essa coima em 25%.  




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Não aguento chicos espertos 14.06.2017

Marta, quem não pode pagar tem apoios. É preciso mais? é outra questão, mas não pode servir de desculpa aos que andam com iphones com pacotes de dados e phones de centenas de euros a fugir ao "pica". 75% das multas não são pagas e quase 100% se for das taxas moderadoras. Vergonha.

Marta 14.06.2017

As leis são o maior monte de bosta que há. As multas têm de ser menores. Quem anda sem pagar é malta que não tem dinheiro para o bilhete. Eu pago passe. Nos dias de greve vou a pé e não me devolvem o dinheiro que paguei, nem compensam o dia que "roubam". São ladrões que deviam estar presos!

Juca 14.06.2017

E não há descontos para os que pagam? É só ciganice.

Saber mais e Alertas
pub