Agricultura e Pescas ASAE apreende garrafas de Barca Velha e Pêra Manca falsificadas

ASAE apreende garrafas de Barca Velha e Pêra Manca falsificadas

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu 16 garrafas de vinho Barca Velha e Pêra Manca falsificadas que poderiam valer cerca de 10.000 euros no mercado de vinhos.
ASAE apreende garrafas de Barca Velha e Pêra Manca falsificadas
Lusa 23 de dezembro de 2017 às 13:45

Em comunicado, a ASAE revela que, através da sua Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal, tem vindo a fazer investigações durante este ano, estando atenta à autenticidade de garrafas de vinho Barca Velha e Pêra Manca que se encontram em comércio e circulação no mercado nacional.

O organismo detectou várias garrafas destes vinhos "premium" portugueses falsificados, sendo vendidos como autênticos em vários locais, como leilões online, ofertas directas online e ainda em garrafeiras, em Lisboa e Leiria.

As investigações detectaram falsificações de Barca Velha rotuladas dos anos 2000 e de 2004 (valor médio de venda no mercado de 600 euros a unidade), bem como colheitas mais antigas de 1981 e 1985, com valor médio de venda no mercado de 400 euros a unidade que, pelo decurso do tempo, armazenamento e a expectável degradação dos rótulos, dificultam a distinção para o consumidor, entre garrafas genuínas e falsificadas.

Em relação às duas garrafas de Pêra Manca alegavam ser de 2008.

Segundo a ASAE, foram já foram identificados vários suspeitos, entre vendedores e fornecedores.


A ASAE adverte que, pelo valor unitário destes produtos e pelo aumento da sua exposição às falsificações, face à procura crescente, os consumidores devem reduzir os riscos nas suas compras, solicitando, por exemplo, a consulta da respectiva fatura de aquisição (para averiguar a sua proveniência) e aumentando a precaução nas compras online.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
vitinho Há 3 semanas

Pois aqui está. Se fosse água, não era falsificada. Dão centenas de euros por garrafas, olha o que acontece. A estas bateu-lhes a ASAE à porta, e às outras?

Anónimo Há 3 semanas

Não sei se é fácil mas é, de certeza, mais rentável do que falsificar notas de cem €uros.