Empresas ASAE conclui que Pingo Doce fez venda abaixo do preço de custo (act)

ASAE conclui que Pingo Doce fez venda abaixo do preço de custo (act)

Antena Um noticia que processo segue já amanhã para a Concorrência. Multa deverá rondar 30 mil euros.
Negócios 03 de maio de 2012 às 19:44
A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, organismo que detém as funções de inspecção económica em Portugal, encontrou indícios de venda abaixo do preço de custo, prática ilícita à luz da lei da concorrência no País, na campanha de promoção realizada pelo Pingo Doce no dia 1 de Maio, avançou hoje a Antena 1.

A notícia dá conta que os inspectores da ASAE estão a ultimar um processo contra o grupo alimentar, num auto que deverá seguir já amanhã para a Autoridade da Concorrência, a quem cabe a instrução do processo e a aplicação das multas. “Das centenas de facturas fiscalizadas, há dezenas de produtos que foram vendidos abaixo do preço de custo”, garante a Antena Um, citando fonte da investigação. De acordo com a mesma há “três casos flagrantes”: arroz, óleo e whisky.
“Não fomos notificados pela ASAE, pelo que não temos conhecimento" das conclusões da ASAE que a Antena Um noticia, disse ao Negócios fonte oficial da Jerónimo Martins.


A acção da cadeia de retalho do grupo Jerónimo Martins, recorde-se, visava um corte de 50% no custo final de compras acima de 100 euros nas 369 lojas Pingo Doce, em todos os artigos que não fossem combustível, têxteis, electrodomésticos ou da área de bem-estar (medicamentos não sujeitos a receita médica).

A JM, em resposta às perguntas colocadas, afastou no dia 2 de Maio qualquer ilicitude da parte do segundo maior grupo de distribuição em Portugal: “não houve dumping”, respondeu então fonte oficial num email enviado às redacções.

(actualiza com reacção da JM)




A sua opinião65
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
cad7 05.05.2012

Imagine, que a sua volta sozinho pela loja, não é mais sozinho e tem por companhia os fornecedores dos bens que desapareceram, nomeadamente os encerados, congelados e frescos. Todos eles se queixam que as suas margens são esmagadas e vendem com prejuízo, mas têm de se sujeitar, pelo que progressivamente vão empobrecendo até ao dia final, ou seja do fecho. Ocorreu-lhe por acaso que também os fornecedores têm filhos e eventuais propinas para pagar, e que não o podem fazer porque o oligopólio cá instalado retira-lhes margem de liberdade na negociação, num verdadeiro exercício de dependência?
Ouvi um programa na TSF que deu voz aos produtores e fornecedores de bens ao Pingo Doce e similares, e não ouvi um único comentário de satisfação das suas relações comerciais, estando todos endividados.
Essa propina paga de que o sr. tomou conhecimento, mais parece a cena da esmola dada à saída da igreja, de uma insigne esposa de um qualquer ilustre dono dono ou accionista de um qualquer Pingo Doce ostentando um casaco de vison e dá 50 cts a uma mão estendida e assim ficar aliviada de todos os pecados, lol.
Mas parece que é o mercado a funcionar, não é verdade?
Mas que estúpido mercado este...

Jacinto 04.05.2012

Para os séniores de pensões irrisórias, desempregados, deficiente-motores, mulheres e mesmo homens, se confrontarem com outros que não tenha um mínimo de senso por valores humanos, há estas atitudes dum hipermercado que levam à conclusão que só foi mal organizado.
Bastava a muitos apresentarem os comprovativos dos IRS, a informação comprovada de despedimentos, casais inclusivé, etc., para provarem ter mais necessidade de promoções deste género do que a maior parte, ou pelo menos dos muitos outros que se foram lucopletando com quantidades maciças dos bens de primeira necessidade. E subscrevo tudo o que diz domingos afonso`às 23:17 de 3 deste mês (ontem?)
Agora que a ASAE ou o Paços COelho, ou aquele outro, estejam contra estas promoções... ORA BOLAS!!!!

Jacinto 04.05.2012

É incrível como se preocupam tanto pelo que fez o Pingo Doce, e deixam que os tubarões roubem o consumidor e ganhem somas exorbitantes... agora que todos nós estamos de tanga e o Governo atrás do nosso último tostãozito.
E é que é mesmo este Governo que êm pressionado... no sentido de pôr as duas grandes "superfícies" uma contra a outra.
Sem dúvida que esta atitude, a sua ação, a maneira como resultou, pondo o povo numa luta desenfreada dentro foi muito mal organizada...
Aqueles que mais precisam, aqueles mais débeis para que tenham podido fazer parte das promoções (os séniors, os deficiente-motors, mulheres e até mesmo os homens como dificuldades para que pudessem confrontar-se com certos energúmenos que pensam que só eles é que contam, mas que hoje em dia quase todos os estão com poucos recursos agradeceriam mais promoções semelhantes, mas definitivamente mais, muito mais bem organizadas... Pensem

Susana A. 04.05.2012

Quando se acampa durante dias à porta de uma loja para garantir um bilhete para o concerto dos U2 ou para comprar um qualquer Gadjet acabado comercializar, acha-se graça. Afinal de contas, é a corrida ao supérfluo, ao sinal exterior de riqueza e excentricidade - vivemos numa sociedade que hipervaloriza isso.

Já a corrida ao Pingo Doce foi o movimento contrário, e isso incomoda muita gente - a pobreza constrange e quer-se escondida. Podemos ser vorazes a consumir tecnologia ou entretenimento, mas fica sempre mal ser insaciável frente a um pão e uma sopa.

E aqueles que criticam os consumidores que aderiram a esta promoção para garantirem mais alguns meses da sua própria subsistência, não me merecem qualquer tipo de simpatia.

ver mais comentários
pub