Empresas ASAE fecha dez restaurantes em operação-relâmpago em Lisboa

ASAE fecha dez restaurantes em operação-relâmpago em Lisboa

Fiscalização centrou-se nas zonas das Avenidas Novas, Algés e Cais do Sodré. Entre os problemas detectados estão questões de higiene e o incumprimento das regras relativas ao livro de reclamações.
ASAE fecha dez restaurantes em operação-relâmpago em Lisboa
Negócios 11 de maio de 2017 às 13:29
A ASAE realizou uma "operação relâmpago" de inspecção a restaurantes em várias zonas de Lisboa, da qual resultou a suspensão de actividade de 10 estabelecimentos, devido ao não cumprimento de requisitos de higiene.

Segundo um comunicado da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, a operação foi "direcionada a estabelecimentos de restauração localizados nas Avenidas Novas, Cais de Sodré e Algés que dispõem de uma oferta diversificada ao nível da restauração e em áreas de afluência turística, por forma a garantir a Segurança Alimentar e a Saúde Pública dos consumidores bem como a realização de práticas comerciais legais".

"Como resultado da acção foram fiscalizados 70 operadores económicos tendo sido instaurados 38 processos de contra-ordenação e 1 processo-crime, com a suspensão de atividade de 10 operadores económicos por falta de requisitos de higiene e apreendidos cerca de 170 Kg de géneros alimentícios por género alimentício anormal avariado e ainda, um instrumento de pesagem", relata a Autoridade, que não identifica os restaurantes visados.

Outras questões detectadas foram a "falta de implementação do HACCP [Sistema de análise de perigos e controlo de pontos críticos], falta de afixação de avisos obrigatórios designadamente venda de bebidas alcoólicas e tabaco, incumprimento relativos ao Livro de Reclamações, falta de comunicação prévia no âmbito do exercício da actividade, falta de controlo metrológico, entre outras".

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

COMECEM É A FISCALIZAR TAMBÉM AS GRANDES SUPERFÍCIES CHINESAS TIPO HIPERCHINA, NEM UMA ÍNFIMA PARTE DAS FACTURAS DEVEM SER DECLARADAS, POR ISSO EM DOIS DIAS SE APANHARAM CHINESES COM 700.000€ DE FUGA AOS IMPOSTOS, IMAGINEM SE HOUVESSE CONTROLO DAS FRONTEIRAS PERMANENTE. ERAM MILHÕES DE EUROS APANHAD

aniro Há 1 semana

Há aqui dois comentarios de ois individuos que queriam que fosse divulgado o nome dos infractores mas nem eles proprios são capazes de se identificar nos respectivos comentarios, é so herois

Anónimo Há 1 semana

A publicitação dos infratores ajudava a que os restantes tivessem mais cuidados no futuro!

Anónimo Há 1 semana

Mas porque é que não identificam os infractores? deixavam ser os clientes a ensiná-los a cumprirem com as medidas de higiene!...

pub