Indústria Associação têxtil: “Não há nenhum drama em deslocalizar produção”
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Associação têxtil: “Não há nenhum drama em deslocalizar produção”

Os industriais do sector têxtil admitem que é inviável estar ao mesmo tempo a “vender diferenciação e custo por minuto”, estando a transferir cada vez mais encomendas para países do Leste europeu e do Norte de África.
Associação têxtil: “Não há nenhum drama  em deslocalizar produção”
Paulo Vaz, director-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP).
Ricardo Castelo
António Larguesa 06 de fevereiro de 2018 às 23:10

O director-geral da principal associação do têxtil e do vestuário (ATP) adverte que as actividades com mão-de-obra intensiva, como aquelas ligadas à confecção, vão ter de "encontrar outras )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

A grande evolução na cadeia de valor do têxtil português só foi possível porque o sector têxtil, sob a égide da troika UE-FMI, desalocou 45 mil excedentários entre 2008 e 2013. E assim investiu em bens de capital e alocou, na quantidade adequada, talento específico orientado para os novos paradigmas de mercado. Ficou por fazer o mesmo com os restantes sectores da economia portuguesa, a começar pelo infame sector público sindicalizado, despesista e inerentemente extractor de valor como de resto está na sua matriz genética desde o arranjo constitucional socialista de 1976. http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Deves de te estar a passar Paulo

Anónimo Há 2 semanas

A grande evolução na cadeia de valor do têxtil português só foi possível porque o sector têxtil, sob a égide da troika UE-FMI, desalocou 45 mil excedentários entre 2008 e 2013. E assim investiu em bens de capital e alocou, na quantidade adequada, talento específico orientado para os novos paradigmas de mercado. Ficou por fazer o mesmo com os restantes sectores da economia portuguesa, a começar pelo infame sector público sindicalizado, despesista e inerentemente extractor de valor como de resto está na sua matriz genética desde o arranjo constitucional socialista de 1976. http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/industria/detalhe/textil-iguala-exportacoes-de-2007-com-menos-2500-empresas

Paulinho da viola Há 2 semanas

Paulo Vaz, enquanto a ATP for um bom tacho, onde de braços cruzados(tal como na foto) a vida corre bem, não há muito a dizer. Já os empresarios e os empregrados deste setor estão à procura de alternativa para sair deste mercado negro. Corrupção, ilusão, mentira, engano é tudo o que podemos esperar.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub