Banca & Finanças Associação de "lesados" do Banif quer negociar com Santander

Associação de "lesados" do Banif quer negociar com Santander

Os clientes do ex-Banif com obrigações subordinadas deram um não à solução do Santander Totta. "Não era uma proposta séria", defende a Alboa. Agora, querem uma negociação, que dizem não ter existido antes.
Associação de "lesados" do Banif quer negociar com Santander
Carolina Cravinho
Diogo Cavaleiro 03 de Outubro de 2016 às 18:29

A esmagadora maioria dos clientes do antigo Banif com obrigações subordinadas não aceitou a oferta do Santander para aqueles títulos. Contudo, a associação que representa alguns desses clientes, a Alboa, quer sentar-se à mesa com o banco e com o Estado para chegar a uma solução que seja do seu agrado.

 

"Não era uma proposta séria. Obrigava a que os lesados fizessem um novo investimento e era preciso ter dinheiro", justifica o presidente da Alboa, Jacinto Silva, que diz sempre ter defendido que não era uma oferta séria.

 

Para Jacinto Silva, além de os clientes não terem esse dinheiro, a oferta do Totta constituía em obrigações subordinadas, precisamente o mesmo produto em que tinham sido "lesadas" pelo Banif. "Era óbvio que o resultado teria de ser este," afirma o responsável.

 

O Totta disponibilizou-se para emitir até 205 milhões de euros em obrigações subordinadas para os investidores não qualificados com as obrigações subordinadas do Banif nas suas mãos. Permitiriam recuperar até 75% do capital inicialmente investido nos títulos do banco da Madeira. Só houve procura para 7.599 milhões de euros, 4% do total.

 

A Alboa quer, agora, sentar-se à mesa das negociações com o Totta, depois da proposta de Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional da Madeira, que convidou o Estado português, na pessoa do primeiro-ministro António Costa, a procurar uma solução junto do Santander. "Uma negociação. É isso que queremos", diz Jacinto Silva.

 

Segundo o responsável da associação, a entrada em conversações do banco com o Estado poderá permitir ao Santander "ganhar confiança junto dos insulares".

 

A Alboa quer o envolvimento do Estado nas negociações porque defende que o Banif era uma instituição financeira estatal. "Se houve uma solução para o papel comercial do BES, porque não há para os obrigacionistas não qualificados de um banco que é 60% do Estado?" questiona.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub