Indústria Associação de Vinho e Espirituosas defende manutenção do regime para o sector

Associação de Vinho e Espirituosas defende manutenção do regime para o sector

A Associação de Vinhos e Espirituosas de Portugal (ACIBEVE) defendeu a manutenção do actual regime de tributação do sector do vinho e o não agravamento do Imposto sobre o Álcool e Bebidas Alcoólicas (IABA) para as bebidas espirituosas.
Associação de Vinho e Espirituosas defende manutenção do regime para o sector
Bruno Simão
Lusa 17 de Outubro de 2016 às 20:55
O Governo vai voltar a aumentar no próximo ano o imposto sobre a cerveja, as bebidas espirituosas e os vinhos licorosos em 3%, de acordo com a proposta de lei do Orçamento do Estado apresentada na sexta-feira à noite.

Em comunicado, a ACIBEVE defendeu o "não agravamento da taxa de IABA para as bebidas espirituosas e produtos intermédios", salientando que se opõe "ainda à criação de novos impostos ou taxas sobre as bebidas alcoólicas, tendo como objectivo o financiamento da saúde ou o combate ao uso nocivo do álcool".

A associação aponta que "num país que conta com cerca de 201 mil hectares de superfície vitícola a produção de vinho e de bebidas espirituosas são um importante instrumento para a manutenção das comunidades rurais e ordenamento do território", criando emprego, oportunidades de investimento, estabilidade económica e sustentabilidade ambiental.

"No seu conjunto, o sector do vinho e das bebidas espirituosas representam mais de 200 mil postos de trabalho directos e indirectos e a produção de vinho em 2015 de 6.205.756 hl representou 11% do VAB [Valor Acrescentado Bruto] das indústrias alimentares e de bebidas em Portugal", acrescentou.

Os vinhos e as bebidas espirituosas são um dos sectores em que Portugal "mais incorpora matéria-prima nacional", salientou.

"Tendo em conta o brutal aumento de impostos que as bebidas espirituosas (+29% 2016 vs. 2011) e os produtos intermédios (+22% 2016 vs. 2011) tiveram nos últimos anos, a ACIBEV defende que não haja qualquer aumento de IABA em 2017", referiu a associação.

"Os Orçamentos do Estado de 2012, 2013, 2014, 2015 agravaram significativamente, directa e indirectamente, as taxas dos impostos sobre as bebidas alcoólicas, tendo-se no entanto verificado, contrariamente ao previsto, uma queda da receita fiscal relativamente ao previsto", apontou.

"As taxas de IABA impactam negativamente a atractividade de Portugal, como destino turístico, pois são significativamente superiores às taxas em vigor em Espanha, e contribuem para fomentar a economia 'paralela', que, não pagando impostos, prejudica o Estado português e as empresas associadas da ACIBEV", adiantou, acrescentando que o aumento dos impostos "fomenta a adulteração e contrafacção de produtos, com graves prejuízos para a saúde pública (e respectivo orçamento)".



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

E sempre assim o pequeno gostar de fazer-se de grande.O melado d.branca quer dar uma maozita ao draghi ao procurar que a inflacao dispare.O draghi esta a contar comao perto dos 2% daqui por 2 anos e o rico em dividas quer dar inicio .Sempre ouvi dizer:antes de coms a correr,aprende prim.andar

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub