Empresas Assunção Cristas diz desconhecer acusações a Paulo Portas de favorecimento à Mota-Engil

Assunção Cristas diz desconhecer acusações a Paulo Portas de favorecimento à Mota-Engil

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, disse hoje desconhecer a acusação feita ao Ministério Público contra o antigo líder centrista e ex-vice-primeiro-ministro Paulo Portas de favorecimento à empresa Mota-Engil.
Assunção Cristas diz desconhecer acusações a Paulo Portas de favorecimento à Mota-Engil
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 10 de abril de 2017 às 13:33

"Não tenho nenhuma informação sobre isso", começou por afirmar a líder centrista, quando questionada pelos jornalistas sobre se o envolvimento de Paulo Portas em questões judiciais poderia prejudicar o partido ou a candidatura a Lisboa.

 

No final de um encontro com a imprensa para realizar o balanço de seis meses de pré-campanha autárquica a Lisboa, e perante a insistência dos jornalistas, que perguntaram se o tema seria um embaraço, Assunção Cristas reiterou: "Nem sei de que questão é que estão a falar".

 

"O meu foco hoje é preparar o tema de Lisboa, preparar esta conversa convosco, explicar o que temos vindo a fazer nestes seis meses, que estamos a seis meses das eleições, vamos intensificar o nosso trabalho para construir um projecto ambicioso, sólido, exequível, com sonho, com amor à cidade", acrescentou, sublinhando o legado do partido na capital, que foi presidida pelo centrista Kruz Abecassis, entre 1980 e 1990.

 

O Jornal de Notícias noticiou no domingo que o Ministério Público (MP) recebeu uma denúncia da construtora Tecnorém, que se queixa de "um claro favorecimento da sociedade Mota-Engil" no concurso para a construção da Escola da NATO, em Oeiras, empresa da qual Paulo Portas é actualmente consultor.

 

De acordo com o JN, a Mota-Engil ficou em segundo lugar no concurso, mas, depois de apresentar uma reclamação, passou para primeiro.

 

A empresa Tecnorém acusa de favorecimento Paulo Portas, anterior vice-primeiro-ministro, e o director-geral de Recursos da Defesa Nacional, Alberto Coelho, que lançou o concurso e preside a um órgão nacional do CDS, o Conselho de Fiscalização do partido, refere igualmente o jornal.

 

Segundo o JN, o concurso público, que a Mota-Engil venceu, foi aprovado a 16 de Junho de 2016 e o contrato final foi assinado entre aquela construtora e o Ministério da Defesa no dia 28 de Março deste ano.

 

O jornal Público de hoje cita uma fonte próxima de Paulo Portas, afirmando que a alegação da empresa Tecnorém é difamatória. Ao JN, a assessoria de imprensa da Mota-Engil declara que o processo foi conduzido com lisura.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor 10.04.2017

isto é que é sacudir pulgas !............Que negação !

Parvalhona 10.04.2017

Não sei de nada, não vi nada, estava de ferias mas assinei de cruz, VAI TRABALHAR PARASITA QUE EU NÃO SOU TEU PAI

Está na hora da justiça popular 10.04.2017

Pessoal não temos justiça pelo que temos que nos organizar em grupo e limpar esta canzoada. Quem alinha? Aguardo. O material arranjo eu.

Pedro A. 10.04.2017

Foca-te no tema Lisboa e não acudas ao Paulinho e vais ver como rapidamente ficas desfocada do CDS........

ver mais comentários
pub