Indústria AstraZeneca falha estimativas de vendas com concorrência de genéricos

AstraZeneca falha estimativas de vendas com concorrência de genéricos

As vendas no terceiro trimestre da farmacêutica britânica falharam as estimativas. Os genéricos são os argumentos.
AstraZeneca falha estimativas de vendas com concorrência de genéricos
Bloomberg
Negócios 10 de Novembro de 2016 às 11:04

A segunda maior farmacêutica britânica, a AstraZeneca, teve uma queda nas vendas no terceiro trimestre devido à concorrência crescente do genérico de um dos seus medicamentos de maior sucesso, o comprimido para o colesterol Crestor.

 

As vendas no trimestre caíram 4% para 5,7 mil milhões de dólares (5,153 mil milhões de euros). No conjunto dos nove meses as receitas atingiram os 17,417 mil milhões de dólares (15,7 mil milhões de euros), menos 3%. No trimestre, as vendas falharam as estimativas que apontavam, segundo a Bloomberg, para os 5,95 mil milhões de dólares.

 

Só as vendas do Crestor caíram 44%. Este, segundo a Bloomberg, foi o segundo medicamento de grandes vendas da AstraZeneca a enfrentar a concorrência dos genéricos nos Estados Unidos nos últimos dois anos. O primeiro foi o Nexium.  

 

A empresa conta agora com o crescimento nas vendas de fármacos que tem em pipeline que reforçam o sistema imunitário, ajudando no combate ao cancro. Ainda assim, os ensaios nesta medicação sofreram um revés no mês passado, com a AstraZeneca a ter de interromper alguns testes devido ao sangramento de alguns doentes com cancros na cabeça e pescoço. Mas entretanto, o fármaco para a leucemia vai ser submetido a um pedido de autorização à FDA (Food and Drug Administration) só no início do próximo ano.

Além destes medicamentos, a empresa espera contrariar a queda nas vendas com fármacos para a diabetes, doenças cardiovasculares e cancro.

 

No terceiro trimestre os lucros nas actividades "core" foram de 1,69 mil milhões de dólares (1,5 mil milhões de euros). No conjunto dos nove meses foi de perto de 4,7 mil milhões de dólares (4,25 mil milhões de euros). A companhia reiterou as estimativas de lucros para 2016.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub