Aviação Atraso de voo é a principal reclamação sobre companhias aéreas

Atraso de voo é a principal reclamação sobre companhias aéreas

No ano passado chegaram mais de 4.500 queixas relativas às companhias aéreas ao regulador da aviação civil, o que representa uma redução de quase 40% comparativamente com 2014.
Atraso de voo é a principal reclamação sobre companhias aéreas
Bloomberg
Maria João Babo 30 de dezembro de 2016 às 12:48

As reclamações relativas às companhias aéreas nacionais recebidas pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) em 2015 totalizaram 4.530, um número que representa uma redução de 39% face às 7.443 queixas apresentadas no ano anterior.

De acordo com o Anuário da Aviação Civil de 2015, agora divulgado pelo regulador, o principal motivo de reclamação continuou a ser o atraso de voo, ainda que o número destas queixas tenha diminuído de 2.456 em 2014 para 1.034 no ano passado.

O cancelamento de voo foi o segundo motivo a gerar mais reclamações junto da ANAC, ainda que tenha havido um decréscimo de 1.598 para 822 no espaço de um ano.

Segundo os dados do regulador da aviação civil, questões relacionadas com a bagagem estiveram na origem de 601 protestos, um número também abaixo do registado em 2014 (819).

Em sentido contrário, de 2014 para 2015 aumentaram as reclamações relacionadas com as condições de check-in (mais 36,5%) para 191, com os reembolsos (mais 35,8%) para 110 e com a perda de voo (quase 40%) para 116.

À ANAC chegaram ainda no ano passado 531 queixas por atraso com perda de ligação, 269 por recusa de embarque e 74 devido ao check in fechado.

Foram ainda motivo de contestação às companhias aéreas questões relacionadas com o serviço a bordo (36), condições na cabine (duas), higiene no aeroporto (uma), controlo de raio-x (quatro) e falta do livro de reclamações (uma).


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
}
pub