Banca & Finanças Aumento de imparidades da Caixa só é reflectido no final do ano

Aumento de imparidades da Caixa só é reflectido no final do ano

A Caixa Geral de Depósitos tem em curso uma auditoria que não está concluída e que por isso não implicou maiores imparidades nos primeiros nove meses. Tal só acontecerá no final do ano. Mas a capitalização só em em 2017.
Aumento de imparidades da Caixa só é reflectido no final do ano
Cátia Barbosa/Negócios
Diogo Cavaleiro 19 de Novembro de 2016 às 00:04

A Caixa Geral de Depósitos só vai aumentar as imparidades, no âmbito da auditoria que está a fazer, nas contas dos 12 meses. Por isso, a variação desta rubrica foi ligeira.

 

As imparidades desceram de 492,7 milhões de euros, entre Janeiro e Setembro de 2015, para 412,1 milhões nos primeiros nove meses de 2016. Na totalidade do ano, não deverá haver uma descida.

 

Durante os meses de Julho a Setembro, "os valores registados em imparidades resultam exclusivamente da periodificação dos valores previstos no orçamento de 2016", refere o comunicado das contas divulgado na CMVM esta sexta-feira, 18 de Novembro.

"Desde o início de funções a 31 de Agosto de 2016, a nova administração, no contexto do plano de recapitalização e com conhecimento das entidades reguladoras, tem em curso a reavaliação do valor dos activos e de potenciais contingências da CGD e das necessidades de imparidades correspondentes, que por não estar concluído, não se encontra reflectido nas contas agora divulgadas", acrescenta.

 

De acordo com o mesmo documento, "este exercício deverá estar concluído antes do encerramento das contas referentes a 31 de Dezembro de 2016 e será reflectido nas demonstrações financeiras referentes ao ano de 2016".

 

As contas de 2016 vão por isso reflectir este agravamento das imparidades, o que poderá pesar nos rácios de capital.

 

Contudo, a capitalização de 5.160 milhões de euros não vai acontecer, pelo menos na sua totalidade este ano. Mário Centeno anunciou que o aumento de capital com dinheiro público fresco, de 2,7 mil milhões de euros, vai ser feito em 2017, o que empurra para o próximo ano a emissão de obrigações de mil milhões de euros. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
J. SILVA Há 2 semanas

O objectivo do "Deus DOMINGOS" , para mais publicitado na praça pública, não passa dum expediente para pôr o ónus na gestão anterior, cujo presidente foi e penso que seja sério. Esta entrada de leão e com capital excessivo, denotam clara reserva mental, que pode ter uma saída de sendeiro.

pub
pub
pub
pub