Banca & Finanças Australianos querem Banco Primus a conceder depósitos

Australianos querem Banco Primus a conceder depósitos

O grupo Pepper está a comprar a totalidade do Banco Primus, especializado no crédito automóvel. O objectivo do comprador é crescer também nos depósitos em Portugal e Espanha, disse o presidente ao site Eco.
Australianos querem Banco Primus a conceder depósitos
Diogo Cavaleiro 07 de agosto de 2017 às 10:11

O Banco Primus está em processo de venda. O accionista francês Crédit Foncier acordou a venda ao australiano grupo Pepper no passado mês de Julho. Agora, em Agosto, o seu presidente, Mike Culhane, explica ao Eco as suas intenções.


"Embora ainda esteja sujeito a aprovações regulatórias adicionais, a capacidade de obter depósitos em Portugal e Espanha dá ao grupo um benefício estratégico importante, porque permite acelerar o crescimento dos activos sob gestão em ambos os países", assinalou Culhane àquela publicação online.

 

Constituído em 2005, o Banco Primus centra a sua actividade no financiamento a veículos automóveis, tanto novos como usados, tendo paralisado em 2011 os créditos hipotecários. O crédito a clientes totalizava 517,5 milhões de euros no final do ano passado. No campo do passivo (onde constam depósitos, que o Primus não disponibiliza actualmente), contam-se 399 milhões de euros em recursos de outras instituições de crédito, que passam por instrumentos de dívida contratados com accionista francês.

 

O lucro do Primus, que emprega 145 profissionais, atingiu os 8,9 milhões em 2016, mais do que os 600 mil euros do ano anterior.

 

"Há algum tempo que estamos a olhar para o mercado português. Vimos no ambiente económico, juntamente com o Banco Primus, uma combinação irresistível", explica ao Eco o mesmo responsável do grupo australiano, que aguarda ainda o aval do Banco Central Europeu e Banco de Portugal para assumir o leme do banco de capital francês.

 

A operação, cujo acordo foi anunciado a 19 de Julho e que prevê o pagamento de 65 milhões de euros, deverá ficar concluída no primeiro trimestre de 2018. O Primus está presente em Portugal, Espanha e Hungria (esta última com a carteira a ser esvaziada). A instituição australiana – que está em Espanha e espera combinar as duas plataformas – acredita que, "ao longo do tempo", poderá expandir a cobertura europeia. Neste momento, o grupo encontra-se no Reino Unido, Espanha e Irlanda, na Europa, estando igualmente presente na China e na Coreia do Sul.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 07.08.2017

Bancos a "conceder" depósitos?!... Tenho a desagradável sensação de que a escola portuguesa se transformou, nos últimos 40 anos, em uma autêntica linha de montagem de analfabetos diplomados.
A azêmola que escreveu não tem noção do significado do verbo conceder, por um lado, e do que significa o acto ou operação bancária de recepção de um depósito?

comentários mais recentes
Anónimo 08.08.2017

Até que "conceder depósitos" não está assim tão mal dito, porque os Bancos é por especial favor que nos aceitam os depósitos, veja-se a mixuruquice de juros que estão dispostos a pagar.

JCG 07.08.2017

Bancos a "conceder" depósitos?!... Tenho a desagradável sensação de que a escola portuguesa se transformou, nos últimos 40 anos, em uma autêntica linha de montagem de analfabetos diplomados.
A azêmola que escreveu não tem noção do significado do verbo conceder, por um lado, e do que significa o acto ou operação bancária de recepção de um depósito?

pub